Internacional

Proposta de Le Pen de proibir véu em público levaria França a 'guerra civil', diz Macron

Candidatos se enfrentarão no segundo turno neste domingo (24)

Emmanuel Macron e Marine Le PenEmmanuel Macron e Marine Le Pen - Foto: LUDOVIC MARIN / AFP

A proposta de Marine Le Pen, candidata de extrema direita à presidência da França, de proibir o véu islâmico em público levaria a uma "guerra civil", estimou nesta quarta-feira (20) seu adversário nas urnas, o presidente centrista Emmanuel Macron.

A candidata do Reagrupamento Nacional (RN) explicou durante o único debate televisionado antes do segundo turno, que será realizado no domingo (24), que aprovará essa medida como uma forma de lutar contra o islamismo na França.

"Você criará uma guerra civil se fizer isso", garantiu o atual presidente, depois que a ultradireitista classificou o véu como um "uniforme" do islamismo, ideologia que "ataca a igualdade entre homens e mulheres".

A quatro dias da eleição presidencial, Macron está 12 pontos à frente de Le Pen, segundo a última pesquisa de Ipsos/Sopra Steria. Em 2017, o centrista venceu a candidata da extrema direita com 66,1% dos votos.

A herdeira do Frente Nacional (FN) suavizou seu discurso durante a campanha, focando em questões como o poder aquisitivo, mas seu rival tentou ressuscitar sua imagem de radical.

"O que você propõe é uma traição ao espírito francês, está expulsando milhões de nossos compatriotas do espaço público", disse Macron, para quem "a laicidade não implica combater a religião".

A questão do véu é um assunto recorrente e explosivo na França. Esse país laico proíbe desde 2004 o uso de símbolos religiosos visíveis nas escolas e funcionários públicos estão submetidos ao princípio da "neutralidade".

Veja também

Moradores fecham pista da Av. Agamenon Magalhães após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte
Recife

Moradores fecham pista da Av. Agamenon após fio de alta tensão cair em rua da Zona Norte

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício
Meio Ambiente

Índia proíbe plásticos de uso único para combater o desperdício