Protestos complicam a mobilidade em Pernambuco

Alguns locais foram fechados em atos pelo Dia Nacional de Paralisações e Greves. Rodovias BR-101, BR-232, BR-428 e BR-408 foram bloqueadas. Ônibus começaram a circular gradativamente às 8h

Manifestação é realizada nesta sextaManifestação é realizada nesta sexta - Foto: Leo Motta

Diversas categorias realizaram manifestações e paralisações em Pernambuco nesta sexta-feira (11), contra a proposta de emenda à Constituição (PEC) 55, que estabelece um teto de gastos públicos para os próximos 20 anos. Os protestos mobilizaram rodoviários, mulheres, centrais sindicais, movimentos de moradia e sem-terra.

Os rodoviários foram a primeira categoria a cruzar os braços temporariamente, com uma paralisação que durou das 4h às 8h. Apenas uma parte dos ônibus circulou na Região Metropolitana do Recife (RMR). Rodovias federais e avenidas importantes da capital pernambucana foram bloqueadas e também afetaram a mobilidade no Estado nas primeiras horas do dia.

Nas rodovias federais, a interdições ocorreram, até agora, em 13 pontos de Pernambuco, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF): a BR-101 está bloqueada em frente à reitoria da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e nas cidades de Goiana e Escada; na BR-232, há registro de manifestações na altura dos municípios de Bonança, Santo Aleixo, Caruaru e Pombos; a BR-408 foi bloqueada em Aliança e Paudalho; na BR-428 estão interrompidos trechos em Petrolina e Santa Maria da Boa Vista; e na BR-104 o ato foi realizado na altura de Caruaru e Cupira. 

No Recife, um protesto de mulheres fechou o cruzamento da Avenida Cruz Cabugá com a Avenida Norte Miguel Arraes de Alencar, mas o trecho já foi liberado. As manifestantes exibiam cartazes contra a PEC 55 (que na Câmara dos Deputados era PEC 241) e pintaram uma mensagem no asfalto pedindo a saída do presidente Michel Temer.

Leia mais

Movimento contra PEC alcança seis estados
Integrantes do MTST protestam contra a PEC do Teto e bloqueiam vias em SP
Protestos contra PEC dos Gastos devem afetar ônibus, metrô e bancos no Recife

Os manifestantes criticam a PEC por considerar que a medida congelará recursos para a Educação e a Saúde a médio e longo prazo. Já o governo federal alega que a PEC não reduzirá os repasses para educação e que o ajuste fiscal é necessário em um contexto de crise econômica.

Pautas locais e de categorias específicas também foram levantadas nos atos. No caso dos rodoviários, eles protestam ainda contra assaltos a ônibus e mudanças na organização do serviço no estado. De acordo com o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco (STTREPE), em 2016 foram registrados 1.564 assaltos, um trabalhador foi morto e outros três baleados.

Outras categorias paralisadas
De acordo com o presidente estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Carlos Veras, servidores municipais, estaduais e federais aderiram. Os professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decretaram greve por tempo indeterminado na última quinta-feira (10), em uma votação apertada, com 367 votos a favor da paralisação e 347 contra. Apesar de começar na terça-feira (15), a categoria adere hoje à paralisação nacional. Há registro ainda de paralisações no Complexo Portuário de Suape.

O Sindicato dos Bancários informou que agências bancárias da Avenida Marquês de Olinda estão fechadas até 12h, além das agências do Banco do Brasil da Avenida Rio Branco e da Av. Guararapes, onde, ao meio-dia, um grupo realiza um ato em frente à agência. Os bancários também protestam contra o que consideram um processo de privatização dos bancos públicos e o fechamento de agências no estado, de acordo com Sandra Trajano, secretária geral da entidade. Ainda não há balanço do percentual de trabalhadores das categorias que aderiram.

Veja também

Oposição reage contra decreto que estuda gestão privada de unidades básicas de saúde
saúde

Oposição reage contra decreto que estuda gestão privada de unidades básicas de saúde

Avaliação terá menos participantes por sala devido à pandemia
Enem 2020

Avaliação terá menos participantes por sala devido à pandemia