Protocolo define ocupações dos estudantes como movimento pacífico e válido

O protocolo foi assinado por IFPE, da UFPE, UFRPE, Unicap, Defensoria Pública da União e Polícia Militar.

Debate na Rádio Folha comenta primeiros resultados das eleiçõesDebate na Rádio Folha comenta primeiros resultados das eleições - Foto: Lívio Angelim, do Portal FolhaPE

Um Protocolo de Atuação em relação às ocupações das instituições federais de ensino foi assinado nesta segunda-feira (28) na sede da Procuradoria da República no Recife. O protocolo reconhece as ocupações como movimentos políticos válidos e especifica que a intervenção policial será minimamente ofensiva, protegendo a integridade dos envolvidos nos protestos.

“O protocolo pretende servir de referência para outras instituições estaduais e ter alcance nacional”, afirmou a procuradora regional Mona Lisa Duarte. O protocolo foi
assinado por IFPE, da UFPE, UFRPE, Unicap, Defensoria Pública da União e Polícia Militar.

Na discussão do documento, foi retirada uma cláusula proposta pela Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco (Sinjope), que pontuava a garantia do direito de liberdade da imprensa em casos de reintegração de posse forçada nas instituições ocupadas. A Polícia Militar propôs um acréscimo especificando situações
onde a PM poderia impedir o acesso dos jornalistas aos locais de possíveis conflitos. Já que não houve consenso nesse item, o Sinjope decidiu não assinar o protocolo e
explicou que isso não significava um retrocesso dos direitos da imprensa: "É uma estagnação", observou Patrícia Paixão, presidente da Comissão de Ética do Sinjope.

Veja também

Após comício de Trump, casos de coronavírus disparam em Oklahoma
Coronavírus

Após comício de Trump, casos de coronavírus disparam em Oklahoma

Morre, aos 94 anos, Maria do Carmo Magalhães de Queiroz Monteiro
LUTO

Morre, aos 94 anos, Maria do Carmo Magalhães de Queiroz Monteiro