Doença de pele

Psoríase: dermatologista alerta para tratamento da doença

Segundo a SBD, 2,6 milhões de brasileiros têm a doença crônica inflamatória da pele

PsoríasePsoríase - Foto: Divulgação

Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) indicam que 2,6 milhões de brasileiros têm psoríase, doença crônica inflamatória da pele, cujo dia nacional é celebrado nesta quinta-feira, 29 de outubro. A enfermidade, que tem causa desconhecida, pode surgir a partir de uma predisposição genética, ambiental ou emocional.

É importante ressaltar que, apesar do estigma em torno da doença, por apresentar características como aparecimento de lesões de pele avermelhadas em placas que descamam, a psoríase não é contagiosa. Os locais do corpo mais atingidos são couro cabeludo, cotovelos, joelhos, palmas das mãos, plantas dos pés, unhas e tronco.

 

Os sintomas mais comuns da psoríase são manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas, pele ressecada e rachada, às vezes, com sangramento ou coceira. Não há medidas de prevenção contra a doença, mas o tratamento precoce é fundamental. A campanha de conscientização também busca retirar os estigmas da doença, como destaca a dermatologista Fátima Brito. "Os portadores sofrem muito com essa questão do afastamento do convívio social com as pessoas que gostam", lembrou.

O tratamento precoce é fundamental para a melhora. "Como é uma inflamação, pode atingir articulações. É importante buscar o tratamento precoce para não juntar com outras comorbidades, porque vai ficar mais fácil de tratar. Os medicamentos inibem a defesa, é importante que o paciente esteja bem", acrescentou Fátima.

A ausência de comorbidades como tabagismo, obesidade, diabetes e hipertensão também pode evitar formas mais graves da psoríase. 

Os primeiros sintomas da doença são descamação, placas no couro cabeludo ou cotovelos ou ainda qualquer parte do corpo. "É o sinal de alerta. Ainda não há cura, mas não deve se desestimular diante do diagnóstico", completa a dermatologista.

Por fim, Fátima Brito reforça a importância do 29 de outubro. "A psoríase é uma patologia que tem essas interfaces com a psicologia. Pacientes com problemas emocionais desencadeiam as placas. Por isso, se une a necessidade de desmistificar a gravidade e o preconceito da sociedade", disse a dermatologista. 

"É preciso mostrar que a doença não é só uma marca na pele. A doença traz danos psicológicos, morbidades graves, [os pacientes] começam a desenvolver baixa autoesima, não fazem exerício e ficam obeso e vem diabetes e depressão, por exemplo", finalizou Fátima Brito.

A psoríase
Os ciclos da psoríase podem durar de semanas a meses a depender do tipo e do estado do paciente com a patologia, que pode afetar homens e mulheres, principalmente entre 20 e 40 anos, mas pode surgir em qualquer fase da vida. O tratamento busca reduzir as lesões.

Tipos de psoríase
- Psoríase Vulgar: lesões de tamanhos variados, delimitadas e avermelhadas, com escamas secas, aderentes, prateadas ou acinzentadas que surgem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos;
- Psoríase Invertida: lesões mais úmidas, localizadas em áreas de dobras como couro cabeludo, joelhos e cotovelos;
- Psoríase Gutata: pequenas lesões localizadas, em forma de gotas, associadas a processos infecciosos. Geralmente, aparecem no tronco, braços e coxas (bem próximas aos ombros e quadril) e ocorrem com maior freqüência em crianças e adultos jovens;
- Psoríase Eritrodérmica: lesões generalizadas em 75% ou mais do corpo;
- Psoríase Ungueal: surgem depressões puntiformes ou manchas amareladas principalmente nas unhas das mãos;
- Psoríase Artropática: em cerca de 8% dos casos, pode estar associada a comprometimento articular. Surge de repente com dor nas pontas dos dedos das mãos e dos pés ou nas grandes articulações como a do joelho;
- Psoríase Pustulosa: aparecem lesões com pus nos pés e nas mãos (forma localizada) ou espalhadas pelo corpo;
- Psoríase Palmo-Plantar: as lesões aparecem como fissuras nas palmas das mãos e solas dos pés.

Veja também

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto
Racismo

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal
Maternidade

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal