PT adapta jingle de Lula e pede voto no 13

No lugar de "chama que o homem dá jeito", em referência ao ex-presidente, agora a música canta "chama que o 13 dá jeito"

Fernando Haddad, candidato à presidênciaFernando Haddad, candidato à presidência - Foto: Nelson Almeida/ AFP

O PT já colocou na rua as mudanças no material de campanha de Fernando Haddad ao Planalto e adaptou o jingle feito para o ex-presidente Lula, agora pedindo voto no 13, o número do partido. A estratégia é tentar garantir ao máximo a transferência de votos de Lula para Haddad, seu herdeiro político, chancelado nesta terça-feira (11) como candidato oficial do partido ao Planalto.

O jingle já começou a tocar no acampamento feito pela militância petista em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba. Haddad será ali anunciado candidato ainda nesta tarde.

No lugar de "chama que o homem dá jeito", em referência ao ex-presidente, agora a música canta "chama que o 13 dá jeito". Para completar a transmutação de Lula para Haddad, o jingle também repete que "Haddad é Lula lá", "Haddad é Lula, é o povo".

Leia também:
Com aval de Lula, Haddad é oficializado pelo PT candidato ao Planalto
Às vésperas da oficialização de Haddad, Ciro diz que PT manipula frustração do povo


A comunicação do partido já vinha trabalhando nos últimos dias nas adaptações dos programas eleitorais de rádio e TV, que mostrarão agora Haddad como candidato. Como mostrou a Folha de S.Paulo no mês passado, durante giro de Haddad pelo Nordeste, os petistas estabeleceram que uma das principais estratégias para a transferência de voto seria o apelo ao voto no 13, o número do PT, visto que a campanha é curta -faltam 25 dias para o primeiro turno- e Haddad ainda é bastante desconhecido na região.

Veja também

Número de casos da Covid-19 chega a 8,75 milhões no Brasil
Boletim Pandemia

Número de casos da Covid-19 chega a 8,75 milhões no Brasil

Organizadores de ato que terminou com invasão do Capitólio trabalharam para campanha de Trump
EUA

Organizadores de ato que terminou com invasão do Capitólio trabalharam para campanha de Trump