Rússia e França

Putin acusou Ucrânia de 'crimes de guerra' em conversa com Macron

Macron expressou nesta sexta-feira a Vladimir Putin sua "extrema preocupação" com a situação em Mariupol

Presidentes de Rússia e França, Vladimir Putin e Emmanuel MacronPresidentes de Rússia e França, Vladimir Putin e Emmanuel Macron - Foto: Gonzalo Fuentes e Mikhail Klimentyev/Pool/Sputnik/AFP

O presidente russo, Vladimir Putin, disse a seu colega francês Emmanuel Macron na quarta-feira (16) que as forças ucranianas são culpadas de "vários crimes de guerra" e que as tropas russas estão fazendo "todo o possível" para evitar mortes de civis, segundo o Kremlin.

Nessa conversa "chamou-se a atenção para os muitos crimes de guerra cometidos diariamente pelas forças de segurança ucranianas".

Sobre esse tema, foi apontado, "em particular, para ataques maciços de foguetes e artilharia em cidades no Donbas", uma região no leste da Ucrânia em parte controlada por separatistas pró-Rússia, disse o Kremlin em comunicado.

Putin afirmou a Macron que os militares russos estão "fazendo todo o possível para preservar a vida de civis pacíficos, incluindo a organização de corredores humanitários para sua saída segura", segundo Moscou.

No telefonema, que foi uma "iniciativa francesa", observou a fonte presidencial russa, os dois líderes também discutiram as negociações em andamento entre Moscou e Kiev para encerrar o conflito militar na Ucrânia.

Em contrapartida, Macron expressou nesta sexta-feira a Vladimir Putin sua "extrema preocupação" com a situação em Mariupol, cidade no sudeste da Ucrânia bombardeada pelo exército russo, e pediu "o levantamento do cerco", indicou o Eliseu. 

Durante uma nova conversa telefônica entre os presidentes francês e russo, que durou 1h10, Macron "exigiu novamente o respeito imediato de um cessar-fogo" na Ucrânia, disse a presidência. 

O francês colocou sobre a mesa "a deterioração da situação, a continuação dos ataques que atingem civis e o desrespeito do direito humanitário".

Em relação ao porto de Mariupol, "pediu medidas concretas e verificáveis para o levantamento do cerco, acesso humanitário e um cessar-fogo imediato".

As autoridades ucranianas acusaram na quarta-feira a força aérea russa de ter "conscientemente" bombardeado um teatro utilizado por centenas de habitantes como abrigo.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, anunciou que "centenas" de pessoas estavam sob os escombros, enquanto mais de 130 foram salvas. De acordo com uma primeira avaliação da prefeitura, o bombardeio causou pelo menos um ferido grave, mas nenhuma morte. 

A prefeitura de Mariupol informou que a situação na cidade é "crítica", com bombardeios russos "ininterruptos" e destruição "colossal".

Veja também

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle
Família real

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid
Negacionismo

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid