Rússia

Putin anuncia medidas drásticas para apoiar o rublo ante sanções

O presidente russo, Vladimir PutinO presidente russo, Vladimir Putin - Foto: Mikhail Klimentyev / Sputnik / AFP

O presidente russo, Vladimir Putin, arremeteu nesta segunda-feira contra as sanções impostas pelo que chamou de "império da mentira" ocidental em resposta à invasão à Ucrânia, e anunciou medidas drásticas para conter a queda do rublo.

Segundo decreto publicado no site do Kremlin, os residentes na Rússia ficarão proibidos de transferir dinheiro para o exterior a partir desta terça-feira. Além dessa primeira medida, os exportadores russos serão obrigados, a partir de hoje, a converter em rublos 80% de sua receita em moeda estrangeira obtida desde 1º de janeiro.

O rublo caiu a mínimas históricas hoje desde a abertura das negociações na Bolsa de Moscou, e fechou negociado a 94,6 por dólar, frente a 83,5 antes da invasão à Ucrânia.

Para defender a economia e a moeda nacionais do impacto das sanções ocidentais, o Banco Central da Rússia anunciou, em um comunicado divulgado nesta segunda-feira, que elevará sua taxa básica de juros em 10,5 pontos percentuais, a 20%.

Estados Unidos, União Europeia e outros países anunciaram que irão excluir alguns bancos russos do sistema internacional de pagamentos bancários Swift e de qualquer transação com o Banco Central da Rússia. Também foram anunciadas medidas de represália comerciais, como o fechamento do espaço aéreo a aviões russos pela Europa.

A TV russa exibiu imagens de uma reunião entre Putin, o primeiro-ministro Mikhail Mishustin, o ministro das Finanças Anton Siluanov, a presidente do banco central russo, Elvira Nabiullina, e o diretor-geral do maior banco do país, Sberbank, para responder às sanções.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, reconheceu um pouco antes que as sanções das potências ocidentais eram "duras" e representavam um "problema", mas que a Rússia tinha "todo o potencial necessário para compensar os danos". O Kremlin não anunciou nenhuma medida adicional em reação às sanções.

"As medidas tomadas reduzem a volatilidade", disse à AFP Alexei Vedev, analista do instituto econômico Gaïdar. "A incerteza é enorme e o banco central está agindo com razão", acrescentou.

Magnatas preocupados

Em uma reação rara, magnatas russos expressaram publicamente seu descontentamento.

“É uma crise verdadeira e são necessários especialistas verdadeiros em crises. Deve-se mudar absolutamente de política econômica e pôr fim a todo esse capitalismo de Estado”, publicou no aplicativo de mensagens Telegram Oleg Deripaska, multimilionário criador da gigante do alumínio Rusal. Ele disse esperar do governo "esclarecimentos e comentários claros sobre a política econômica para os próximos três meses".

Para Serguei Khestanov, assessor macroeconômico da Open Broker, a Rússia ainda tem espaço. "Enquanto não houver sanções reais às exportações russas, especialmente petróleo e gás, não haverá catástrofe", indicou, embora "as pessoas, é claro, vão sentir" os efeitos.

Preocupados, alguns russos preferiram retirar suas economias do banco. Esse foi o caso de Svetlana Paramonova, 58, que deseja sacar todo o seu dinheiro "para guardá-lo em casa. É mais seguro, uma vez que já não entendemos mais o que acontece."

Veja também

Ameaças de deslizamento no RS impedem Leite de viajar para evento do BNDES no Rio
RIO GRANDE DO SUL

Ameaças de deslizamento no RS impedem Leite de viajar para evento do BNDES no Rio

Ucrânia acusa as forças russas de decapitar soldado ucraniano
GUERRA

Ucrânia acusa as forças russas de decapitar soldado ucraniano

Newsletter