Guerra na Ucrânia

Putin tem 'espaço político' para encerrar guerra na Ucrânia, diz Boris Johnson

Presidente russo defente que invasão da Ucrânia é apenas uma "operação militar"

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris JohnsonPrimeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson - Foto: BEN STANSALL / POOL / AFP

O presidente russo, Vladimir Putin, tem "espaço político" para encerrar a invasão da Ucrânia, graças, em parte, à censura que existe na Rússia, disse o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, nesta terça-feira (26).

"Dado o enorme apoio russo ao que está fazendo, dada a aparente falta de atenção dos meios de comunicação russos sobre o que realmente está acontecendo na Ucrânia, o paradoxo reside no fato de que Putin tem muito mais espaço político para retroceder [e] se retirar", disse Johnson à emissora TalkTV.

A Rússia garante que a invasão da Ucrânia é uma "operação militar" e ameaça prender qualquer pessoa que apresente uma versão diferente dos acontecimentos.

Como resultado, Putin poderia dizer ao povo russo que a operação lançada na Ucrânia foi "concluída" e que, "tecnicamente [foi] um sucesso", explicou Johnson.

A Rússia advertiu diversas vezes para a possibilidade de os combates na Ucrânia evoluírem para um conflito nuclear, já que o Ocidente continua enviando armamento para a Ucrânia.

Mas Johnson insistiu que o Ocidente não precisa fazer concessões, apesar da ameaça nuclear.

"Creio que [Putin] tem muito mais espaço político" do que se acredita, disse Johnson.

"Nós dizemos que temos que fazer uma concessão, que temos que nos preocupar pelo que Putin pode fazer, pelo risco de sua derrota", continuou.

"Acredito que [Putin] tem muito espaço, tem muita margem de manobra", concluiu o líder britânico.

Veja também

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta
Vacinação

Brasil melhora em ranking global de vacinação, mas coberturas ainda seguem abaixo da meta

Economia cubana contraiu 1,9% em 2023 e encara "cenário complexo"
Cuba

Economia cubana contraiu 1,9% em 2023 e encara "cenário complexo"

Newsletter