Polícia

Quadrilha usava Caixa Tem para fraudar auxílio emergencial; há mandado para Agreste

Ao todo, 10 mandados de busca e apreensão foram expedidos para esta terça-feira (10)

Grupo foi investigado desde 2021Grupo foi investigado desde 2021 - Foto: Divulgação/PF

A Operação Apate, deflagrada nesta terça-feira (10) pela Polícia Federal (PF), cumpriu nove mandados de busca e apreensão em Alagoas e um na cidade de Águas Belas, no Agreste de Pernambuco, para desarticular uma quadrilha que praticava fraudes no auxílio emergencial

De acordo com a corporação, o esquema criminoso consistia em ativar de forma indevida o Caixa Tem, aplicativo usado pela Caixa Econômica para efetuar os pagamentos do benefício social. 

Inúmeros CPFs foram usados na fraude. Os números eram cadastrados e validados inapropriadamente, o que levou a vários pagamentos fraudulentos dos auxílios emergenciais segundo a polícia. 

As investigações iniciadas em 2021 apontam que donos de casas lotéricas identificaram que determinados funcionários estavam sendo chamados pela quadrilha - esses funcionários eram os responsáveis pela validação irregular do Caixa Tem. Os donos das agências acionaram a PF.

O mandado cumprido em Pernambuco foi contra um homem de 24 anos que trabalha como autônomo, em Águas Belas. De acordo com a PF, em sua casa foram apreendidos R$ 9 mil e um cartão do Bolsa Família

A polícia também identificou que os domicílios de quem teve os CPFs indevidamente ativados são de vários locais e muito distantes de onde foram cadastrados e ativados, que foi Maceió/AL.

Alguns dos indiciados, inclusive, têm "considerável quantidade de contas bancárias", segundo a polícia. 

"Trata-se de uma característica comum nas condutas de diversos fraudadores investigados no Banco Nacional de Fraude ao Auxílio Emergencial. Utilizam-se desse artifício para otimizar e facilitar a movimentação de dinheiro oriundo de fraudes", explicou a PF, em comunicado.

Crimes
A investigação policial identificou os envolvidos na rede criminosa, levando à expedição dos mandados de busca e apreensão pela 1ª Vara Federal de Maceió/AL. 

Os indiciados ficarão à disposição da Justiça Federal para responder pelos crimes de estelionato majorado (art. 171, §3º, do Código Penal) e associação criminosa (art. 288 do Código Penal), que, somados, podem chegar a oito anos de reclusão.
 

Veja também

Festa de Nossa Senhora da Cabeça chega ao segundo dia de programação na Igreja Madre de Deus
Devoção

Festa de Nossa Senhora da Cabeça chega ao segundo dia de programação na Igreja Madre de Deus

Julho registra temperatura média mais alta da história
Calor

Julho registra temperatura média mais alta da história