Operação Smile

Quadrilha que usava clínicas na RMR e em SP para lavar dinheiro do tráfico de cocaína é alvo da PF

Segundo a polícia, mandados de busca e apreensão são cumpridos nesta quarta-feira no Recife e em Jaboatão dos Guararapes

Operação cumpre mandado em clínica odontológica na RMROperação cumpre mandado em clínica odontológica na RMR - Foto: Divulgação/Polícia Federal

Uma organização criminosa voltada à prática de tráfico de drogas, segundo a Polícia Federal (PF), é o alvo da Operação Smile (“sorriso” em inglês), deflagrada na manhã desta quarta-feira (29).

De acordo com a PF, foram expedidos pela Justiça Estadual e estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão nos bairros de Candeias, Cajueiro Seco e Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes; e em Boa Viagem e na Boa Vista, no Recife. 

Os mandados são para dois endereços residenciais e três clínicas odontológicas.

Segundo a polícia, as investigações indicaram uma forte atuação de facções criminosas de projeção nacional em um esquema para lavar o dinheiro do tráfico de cocaína, utilizando para isso clínicas médicas e odontológicas em São Paulo e Pernambuco com a finalidade de permitir a compra de insumos utilizados no refino da cocaína.

“Apesar de serem cumpridos apenas mandados de busca e apreensão, há grande possibilidade de também haver cumprimento de mandados de prisão preventivas expedidos pela Justiça de São Paulo, haja vista que alguns desses líderes encontram-se foragidos e com residência num condomínio de luxo no Recife”, informou a PF, em nota.

Os investigados irão responder pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa e lavagem de capitais, cujas penas ultrapassam os 30 anos de reclusão.

Veja também

Procissão de encerramento a Nossa Senhora da Conceição tem ruas cheias no RecifeFesta do Morro

Procissão de encerramento a Nossa Senhora da Conceição tem ruas cheias no Recife

Executivo se desculpa por demitir 900 funcionários por Zoom nos EUA: 'Não demonstrei respeito'

Executivo se desculpa por demitir 900 funcionários por Zoom nos EUA: 'Não demonstrei respeito'