Mundo

Quarentena vai levar parte da população à pobreza absoluta, diz voz da oposição na Argentina

Bullrich é presidente do PRO (Proposta Republicana), maior partido de oposição ao governo peronista

Patricia Bullrich.Patricia Bullrich. - Foto: Reprodução/Twitter.

Principal voz da oposição hoje na Argentina, a ex-ministra de Segurança Patricia Bullrich, 64, diz que a gestão de Alberto Fernández "está causando danos à imagem do país" ao não resolver a dívida externa e ao não tomar medidas para proteger a economia da recessão prevista para o pós-pandemia.

Bullrich é presidente do PRO (Proposta Republicana), maior partido de oposição ao governo peronista e legenda do ex-presidente Mauricio Macri e do atual chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, provável pré-candidato presidencial nas eleições de 2023.

Apesar de liderar uma aliança de centro-direita, a Juntos Por el Cambio, Bullrich já foi militante da Juventude Peronista e tinha relações próximas com diversos membros dos Montoneros, guerrilha urbana marxista nos anos 1970. Sua irmã foi casada com o líder deles, Rodolfo Galimberti.

PERGUNTA - Como a sra. avalia a relação do atual governo da Argentina com o Brasil, comparando com a época da gestão Mauricio Macri (2015-2019)?

PB - Enquanto estivemos no governo, tivemos uma excelente relação com o Brasil, uma relação que fizemos questão de alimentar sempre. O trabalho em conjunto é necessário para a economia e para o controle de fronteiras, entre outras áreas. E isso andou bem. Também fechamos junto ao Brasil o acordo com a União Europeia. Tendo em vista todos os nossos avanços, observar que agora estamos voltando a uma relação zero é muito preocupante.

Dependemos muito do que o Brasil compra da Argentina e também do que vendemos ao Brasil, sem mencionar a produção conjunta no setor automotriz. É muito preocupante que não exista diálogo, principalmente por conta da situação da economia argentina hoje, que não pode se isolar mais, tem de abrir, e isso começa com o Brasil. Era nisso que estávamos trabalhando com o presidente Macri. Colocar a ideologia por cima da realidade concreta é um erro. E, evidentemente, essa situação vai trazer um problema extra para a Argentina.

A Argentina entrou numa quarentena dentro da quarentena, com novas e mais restrições na região metropolitana de Buenos Aires. Como a sra. vê isso?

PB - Com relação ao coronavírus, nós dissemos desde o primeiro dia que, para o PRO, saúde e economia são duas caras de uma mesma moeda. Não se pode deixar a economia em segundo plano. Essa quarentena tão longa vai levar a uma pobreza absoluta de boa parte da população e uma desvalorização dos bens e do capital de todos os argentinos. O governo argentino, na nossa região, é o que menos tem ajudado as empresas nesta crise. Nossos prognósticos estão cada dia piores, e falta também um plano sobre como vamos reativar a economia depois.

Na gestão de Macri, a sra. colocou muita ênfase no controle das fronteiras e na luta contra o narcotráfico. Como vê essa agenda hoje?

PB - Essa foi uma questão em que avançamos bastante, principalmente com o ex-ministro Sergio Moro. Mas hoje vejo o sistema de controle de fronteiras abandonado. Toda a tecnologia na qual investimos parece não estar sendo usada. O governo nacional vem desviando recursos da vigilância de fronteiras para outras prioridades. É um retrocesso muito grande. Além da fronteira, não estamos mais cuidando da luta contra o terrorismo como fazíamos. Hoje a força de segurança nacional está focada no controle policial da quarentena e muito pouco em sua tarefa essencial, que é cuidar da sociedade.

Recentemente alguns episódios na área econômica repercutiram no exterior, entre eles a saída da Latam do país, a tentativa de nacionalização de uma empresa privada, a Vicentín, e a não resolução, por enquanto, da negociação da dívida externa. Isso danifica a imagem da Argentina?

PB - Sim, e muito. O PRO é um partido que crê no respeito à lei, à Constituição, e é fundamental não ficar mudando as regras. O caso Vicentín foi um golpe no coração da credibilidade do país. A saída da Latam também, porque não tentaram ajudar a empresa a continuar aqui. O governo cedeu aos sindicatos e ao desejo de que a Aerolíneas Argentinas tenha o monopólio dos voos no país. Isso já se mostrou muito difícil num país com as dimensões da Argentina. A Aerolíneas Argentinas sozinha não dá conta. É importante a participação de outras empresas no mercado.

Para nós, foi um erro gravíssimo permitir que a Latam fechasse as operações aqui. O governo não quis ter uma negociação razoável para que a empresa pudesse atravessar a crise com algumas acertos salariais aceitáveis. E tudo isso impacta negativamente na negociação da dívida. É muito importante evitar a moratória do país, e casos como Vicentín e Latam não colaboram com nossa imagem junto aos credores.

Num primeiro momento, o PRO e o peronismo trabalharam bem na região metropolitana de Buenos Aires no combate ao coronavírus. Agora começa a haver fricções. Como a sra. vê a situação?

PB - É certo que no começo a coesão foi mais fácil. Mas a situação vem mudando muito, e, com o aumento de casos de coronavírus na região metropolitana, isso tem piorado. Às vezes estamos de acordo com o governo, mas no caso da cidade de Buenos Aires havia atividades que foram reabertas e poderiam continuar. Mas tivemos de recuar por conta do governo.

O PRO se viu envolvido recentemente numa acusação de espionagem e agora haverá um processo penal sobre o caso.

PB - Alberto Fernández e Cristina Kirchner tinham armado um plano de impunidade para os crimes do kirchnerismo desde antes de chegarem ao poder. E parte desse plano é armar processos contra nós, que somos hoje oposição, numa tentativa de igualar supostos delitos nossos àqueles pelos quais o kirchnerismo vem sendo julgado. Acreditamos que existe um "ministério da vingança" armado para organizar processos contra a oposição. Isso é muito grave. Essa causa de espionagem é picaretagem. Não há nada ali que nos incrimine de verdade, e isso deve vir à tona com a investigação.

A sra. crê que Cristina Kirchner tem um plano claro para a área da Justiça? Porque em outros setores do governo ela não parece opinar muito.

PB - Sim, claramente. Acreditamos que sua agenda é realizar uma mudança radical na Justiça argentina, por fora dos marcos constitucionais. E creio que segue o modelo cubano, o de estabelecer o que é delito de opinião, e de favorecer a possibilidade de que qualquer um que opine de forma diferente termine julgado.

Há casos recentes de pessoas e de jornalistas que estão sendo processados por postagens nas redes. A sra. crê que a liberdade de expressão está em risco?

PB - Sim, claramente. A Justiça vem armando processos contra quem usa a palavra "infectadura" [expressão que surgiu a partir da ideia de que a Argentina estaria vivendo uma ditadura imposta por infectologistas], como aconteceu com o ator Juan Acosta. Há denúncias a jornalistas como se fossem espiões. É um passo a mais em relação ao que se fazia no primeiro kirchnerismo [gestão de Néstor Kirchner, de 2003 a 2007]. Se isso continuar, será um retrocesso forte, e nós vamos brigar muito para que não aconteça.

Veja também

Bairros do Recife ficam 'às escuras' na noite desta quinta (13)
Recife

Bairros do Recife ficam 'às escuras' na noite desta quinta (13)

Correntes humanas nas calçadas, greves e demissões elevam grau de protesto na Belarus
internacional

Correntes humanas nas calçadas, greves e demissões elevam grau de protesto na Belarus