Quem vai pagar o prejuízo?

Devido à força da explosão na Zona Oeste do Recife, vários imóveis sofreram avarias nas paredes, tetos e janelas, sem contar os que tiveram perfurações de balas

Carlos, comerciante, estima prejuízo de R$ 20 milcCarlos, comerciante, estima prejuízo de R$ 20 milc - Foto: Leo Motta

Tentar colocar as coisas em ordem e contar prejuízos. Assim foi o dia para moradores e comerciantes das imediações da empresa Brinks, na Estância. Devido à força da explosão, vários imóveis sofreram avarias nas paredes, tetos e janelas, sem contar os que tiveram perfurações de balas. Carros também ficaram danificados e vão precisar de conserto. Um grupo de moradores promete procurar diretamente a empresa para negociar os reparos. Os comerciantes querem acionar judicialmente a transportadora de valores para uma indenização. 

Leia mais:
 Donizetti pode ter planejado assalto à Brinks
Crime na Zona Oeste do Recife deixa rastros de dúvidas

“Minha casa está toda danificada. Não tinha planos de gastar dinheiro algum. Nem tenho como”, contou a comerciante Maria de Lourdes Lina, 60 anos. O imóvel dela fica na lateral da Brinks, com quem divide o muro do quintal. As explosões usadas para abrir a firma provocaram a queda do forro de gesso de quase toda a casa. Durante a investida, ela dormia, mas foi acordada pelo tiroteio e pela queda de parte do teto na cama. “Por muito pouco que não me machuquei”. Quartos, sala, terraço e janelas de vidro ficaram destruídos.
Temendo o desabamento do resto do teto, a dona de casa Joseide Oliveira, 57, interditou parte da residência. “Além de ter caído parte do forro, outra área grande ficou bem rachada. O medo é que isso caia de uma hora para outra”, lamentou.
Dois comerciantes de veículos resolveram entrar em contato com um advogado para saber como reaver os prejuízos. Além das avarias na loja, o empresário Júlio Cesar ainda teve um caminhão metralhado.

No comércio de Carlos Gomes Cabral ele estima que as despesas para os reparos devem ficar em R$ 20 mil, já que pelo menos cinco cômodos foram destruídos. “No meu ponto de vista, quem deve pagar essa conta é a Brinks. Estamos contando que ela tenha seguro e que cubra com essas despesas todas.”
A transportadora de valores não informou, até o fechamento desta edição, se tem seguro para cobrir os danos a terceiros.

 

Veja também

Academia Brasileira de Letras lança nova edição online do Volp
LÍNGUA PORTUGUESA

Academia Brasileira de Letras lança nova edição online do Volp

Ao menos 76 mortos e dezenas de desaparecidos por chuvas de monção na Índia
CHUVAS

Ao menos 76 mortos e dezenas de desaparecidos por chuvas de monção na Índia