A-A+

Quer aprender inglês? Esqueça as soluções rápidas

Instituição europeia indica que há um número de horas necessárias de estudo para atingir diferentes níveis de conhecimento

O inglês conecta povos de todas as origens O inglês conecta povos de todas as origens  - Foto: Divulgação

O inglês é considerado o idioma mais importante do mundo. Basta fazer uma viagem, buscar qualificações no exterior ou tentar oportunidades de trabalho em empresas multinacionais para se dar conta de que essa é uma realidade indiscutível. Seja no turismo, na cultura, na educação ou no mundo dos negócios, a língua que conecta povos de todas as origens é a inglesa.

Ao se darem conta da necessidade de falar inglês, muitas pessoas recorrem a soluções mágicas, que prometem fluência na língua em poucos meses. É comum ver escolas e franquias vendendo resultados praticamente milagrosos. Mas ainda que se trate de demanda urgente, é preciso ter cautela para não cair no “mito do inglês rápido”.

De acordo com o Quadro Europeu Comum de Referências para Línguas ou Common European Framework of Reference (CEFR), que determina os níveis de aprendizagem por tempo de horas estudadas, para se chegar a um patamar intermediário de inglês são necessárias entre 350 e 600 horas de dedicação.

Ou seja, empresas que prometem fluência em 18 meses, por exemplo, fazem propaganda enganosa, pois chegariam a 200 horas de conteúdo, média da classificação do nível básico segundo o CEFR. Não é à toa que a Justiça de São Paulo proibiu a divulgação de ofertas como essa.

Segundo os parâmetros internacionais, o caminho para se aprender um novo idioma deve reunir carga horária adequada e métodos de ensino consistentes. Os resultados a serem alcançados também variam de acordo com conhecimentos e as capacidades de cada pessoa, mas não se pode abrir mão do tempo de qualidade de exposição à língua.


Como resolver a equação tempo x necessidade?

Se não há fórmula mágica para aprender inglês, existem maneiras mais eficientes de construir o aprendizado, para que não se jogue nem dinheiro, nem tempo fora. São recorrentes os casos de pessoas que começam, recomeçam e ainda não concluem cursos. E depois de tudo, mal sabem em que nível de inglês estão.

A primeira coisa a ser feita ao retomar esse processo é um teste de nivelamento para ter certeza do grau de conhecimento acumulado com o que já foi estudado. Há muitas opções gratuitas que podem ser feitas online, como no site do CCAA por exemplo.

O CEFR divide o conhecimento dos alunos em três categorias com seis níveis de domínio: Básico - níveis A1 (iniciante) e A2 (básico); Independente - níveis B1 (intermediário) e B2 (usuário independente); e Proficiente - níveis C1 (proficiência operativa eficaz) e C2 (domínio pleno).

Depois de saber em que nível se está, é possível avaliar quais habilidades - falar, escutar, ler, escrever - estão mais críticas em cada caso e, por isso, merecem mais atenção. Outra questão que deve ser considerada é se há algum propósito específico de uso da língua como, por exemplo, saber se comunicar em uma viagem de férias, participar de reuniões profissionais ou fazer intercâmbios.

Cada um desses fatores ajuda a definir qual a melhor opção de curso e quanto tempo será necessário se dedicar aos estudos para alcançar os resultados esperados. Então, se a ideia é aprender inglês, a pergunta correta a ser feita não é “qual é o caminho mais rápido”, mas sim “quais os métodos e os períodos adequados de estudo” para atingir os objetivos?

Pesquisas indicam que áreas do cérebro ligadas à memória, ao aprendizado e à orientação espacial crescem durante o estudo de outro idioma, pois estimula o cérebro e conexões para fixar palavras, sons e significados novos. Quanto maior a prática e o esforço, maior o armazenamento de informações e a absorção de conhecimentos.

Quanto estudar para se tornar fluente?

Para alcançar o nível proficiente de inglês são necessárias de 1.000 a 1.200 horas de estudos da língua, aproximadamente. O desempenho de cada pessoa pode variar de acordo com diversas variáveis, inclusive se há facilidade ou dificuldade de aprendizado, mas o processo contínuo de conhecimento e aperfeiçoamento da língua, para qualquer um, deve ser por toda a vida.

Veja também

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile
VIOLÊNCIA

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile

Cinco palestinos são mortos durante operação israelense na Cisjordânia
ISRAEL

Cinco palestinos são mortos durante operação israelense na Cisjordânia