Racismo, xenofobia e machismo caem no Enem 2016

A hashtag #AprendiNoEnem chegou aos assuntos mais discutidos no Twitter

Jair Bolsonaro ao lado de Luciano BivarJair Bolsonaro ao lado de Luciano Bivar - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

O caderno de provas do primeiro dia de Enem abordou questões sobre gênero, racismo e xenofobia. A questão dos refugiados foi tema de uma das questões, abordando especificamente a reação de países europeus como a Hungria à crise. O racismo foi tema em questão que citava o regime do apartheid na África do Sul, entre os anos 1940 e 1990. Preconceito e xenofobia também foram assuntos levantados sob uma ótica sociológica.

Refletindo o tema da redação em 2015, sobre feminismo, a prova abordou a questão da identidade de gênero e preconceito. Uma questão falava do número de mulheres astronautas e como a maioria delas nunca foi para o espaço. Outra questão mostrava um comercial antigo de produtos de limpeza dizendo que as mulheres "limpariam a lua no futuro".

Os estudantes deveriam refletir sobre as mudanças e transformações que a representatividade feminina passou nas últimas décadas, com a mulher assumindo protagonismo em áreas antes dominadas majoritariamente por homens. 

Uma questão que também chamou a atenção dos candidatos discorria sobre o efeito do spray de pimenta na pele humana. Vale lembrar que o artefato é utilizado pela Polícia Militar em operações de dispersão de protestos. Outra, curiosa, falava sobre como as fezes animais podem ser usadas para gerar energia elétrica.

Como já é tradição, a maioria das questões, especialmente as que envolviam cálculo, viraram meme nas redes sociais, com a hashtag #AprendiNoEnem chegando aos assuntos mais discutidos no país.

“#AprendiNoEnem que é mais fácil vencer na vida que descobrir a altura da água na barragem de Itaipu”, escreveu o internauta @vitor­_corso. “#AprendiNoEnem que se até Hamlet queria "Morrer, dormir, dormir" é porque a vida não tá fácil”, brincou uma twitteira, fazendo relação com a reprodução de um texto de Shakespeare na prova.

Um comentário comum entre os estudantes era em relação ao cansaço e os longos textos atrelados a cada questão. “É muito texto, depois de um tempo você começa a se distrair, muita coisa pra ler”, diz o estudante André Almeida, 16 anos.

Neste domingo (6), os estudantes realizam as questões de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias, Redação e Matemática e Suas Tecnologias. A prova terá 5h30 de duração.

Ocupações
Cerca de 270 mil candidatos no Brasil todo farão uma prova diferente em dezembro deste ano, em virtude da ocupação de instituições de ensino no país. Os manifestantes protestam contra o projeto de emenda constitucional que propões um teto por 20 anos os gastos do governo com saúde, educação e outras áreas. Confira galeria com as questões.

 

Veja também

Fernando de Noronha volta a registrar transmissão comunitária de Covid-19
Coronavírus

Fernando de Noronha volta a registrar transmissão comunitária de Covid-19

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco