Ramal Camaragibe do metrô volta a funcionar

Segundo a CBTU, os trens começaram a circular às 10h, depois que foi solucionado problemas no rompimento de cabo da rede aérea próximo à estação Curado

Linha Centro do Metrô fechadaLinha Centro do Metrô fechada - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

O Ramal Camaragibe da Linha Centro do metrô voltou a funcionar na manhã desta sexta-feira (6), após mais de 24h paralisada.

Segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), os trens começaram a circular às 10h depois que foi solucionado os problemas no rompimento de cabo da rede aérea próximo à estação Curado.

O trecho entre as estações Coqueiral e Camaragibe estava fora de operação desde a 8h45 dessa quinta-feira (5), causando transtornos para mais de 25 mil pessoas que utilizam o transporte nesses pontos.

Leia também:
Metrô do Recife aumenta para R$ 3 a partir de domingo
Após 73ª paralisação do metrô no ano, usuários se queixam de serviços precários
Uma sexta-feira de incertezas para os usuários de metrô
Ainda sem metrô, passageiros recorrem ao transporte rodoviário


Essa é a 74ª paralisação do metrô ocorrida somente este ano. No próximo domingo (8), deve haver um novo reajuste na tarifa do metrô, que passará a custar 3 reais. O reajuste, de R$ 0,40. é o terceiro desde que o Tribunal Regional Federal - 1ª Região (TRF1) autorizou um aumento, que foi escalonado. Até março de 2020, a previsão é de que a tarifa sofra outros três reajustes, fixando o valor do bilhete em R$ 4. De acordo com a CBTU, a medida visa suprir um déficit de gastos com operação, folha de pagamento e indenizações da empresa.

O metrô do Recife foi inaugurado há 34 anos e atende aproximadamente 338 mil pessoas por dia. Cerca de 22 trens fazem em torno de 500 viagens por dia

Veja também

Líder deposta pelo golpe faz 1ª aparição após recorde de mortes em Myanmar
Golpe de estado

Líder deposta pelo golpe faz 1ª aparição após recorde de mortes em Myanmar

Inglaterra afirma que vacinas são 'muito eficazes' e reduz hospitalização de idosos
Europa

Inglaterra afirma que vacinas são 'muito eficazes' e reduz hospitalização de idosos