Rara, falha na vacina contra o sarampo pode acontecer

A vacina contra o sarampo é segura, segundo os especialistas. As reações mais comuns são dor no local da aplicação e vermelhidão

Vacina contra SarampoVacina contra Sarampo - Foto: GEORGE FREY / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AF

Não é comum tomar a vacina contra o sarampo e contrair a doença, mas isso pode acontecer. Existem o que especialistas chamam de falhas primária e secundária.

Na primária, o indivíduo recebe as doses recomendadas pelo calendário nacional de imunização e o organismo não responde à vacina; já na secundária, há perda da proteção com o passar dos anos.

"A eficácia da vacina para uma dose fica entre 85% e 90%; para duas doses é de 95% a 97%, levando em consideração um paciente saudável. Isso significa que, em uma dose, o percentual de falha da vacina gira em torno de 10% a 15% e na segunda é de 3% a 5%", explica o presidente do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, Renato Kfouri.

Leia também:
Sarampo pode afetar os olhos
Brasil tem 16 estados com surto ativo de sarampo


Ele reforça que, além de raros, casos de sarampo pós-vacina são leves. "Em época de surto, é mais comum encontrarmos sarampo em vacinados há mais de dez anos."

Francisco Ivanildo Oliveira Júnior, infectologista do Sabará Hospital Infantil, diz que, quando há epidemia ou surto, o número de doentes aumenta e ficam em evidência os casos de falha primária.

Kfouri alerta para a importância da vacinação. "É a única forma de interromper a cadeia de transmissão do vírus. A maior parte dos acometidos pelo sarampo são crianças menores de um ano, período em que as taxas de complicação e óbito são maiores, porque o sistema imunológico da criança responde com menos intensidade ao vírus. Então, há risco de complicações infecciosas, encefalite e pneumonias", afirma.

Segundo o médico do Sabará, a principal teoria discutida sobre a razão de haver falhas na vacina é o fato de que há 20 anos, quando se aplicava uma só dose, as pessoas eram imunizadas, mas eram expostas a casos de sarampo, então esse contato funcionava como um reforço da imunidade.

"Quando a doença passa a ser rara, as pessoas vacinadas perdem o contato com o vírus e a imunidade diante dele cai. Se essa hipótese, que tem sido usada para justificar os casos atuais de sarampo, se confirmar, será necessário revisar a teoria de que duas doses da vacina são suficientes para a vida inteira, ou seja, é possível que haja necessidade de tomar outros reforços ao longo da vida. E isso vale para qualquer vacina", diz.

Outra teoria, de acordo com Júnior, relaciona o atual surto de sarampo à modificação do vírus. "Apesar de só existir uma espécie de vírus do sarampo, ele tem genótipos distintos [pequenas diferenças no material genético que determinam a linhagem e permitem traçar o caminho do vírus]. A discussão atual é se a vacina tem menor eficácia diante desse genótipo, e por isso pessoas imunizadas estão contraindo doença, e se há necessidade de produzir vacinas de acordo com o genótipo circulante."

É importante esclarecer que o sarampo em vacinados não é perigoso, pois é uma forma leve, com tempo mais curto e sintomas mais amenos.

A vacina contra o sarampo é segura, segundo os especialistas. As reações mais comuns são dor no local da aplicação e vermelhidão.

Segundo Ana Paula Sayuri Sato, professora do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP, como a vacina é de vírus vivo, o paciente pode apresentar sintomas que lembram a doença entre 4 e 12 dias após tomá-la.

"A vacina provoca uma simulação da doença para ativar o organismo a produzir anticorpos contra o sarampo. Não deixem de se vacinar para proteger a própria saúde e aumentar a cobertura vacinal, para impedir que a doença se espalhe na população."

Outras reações à vacina tríplice viral (que inclui a imunização contra o sarampo, caxumba e rubéola) são febre durante dois dias, manchas vermelhas no corpo, gânglios no pescoço e atrás das orelhas e edema na região das parótidas (glândulas salivares, na região do pescoço) por conta do componente do vírus da caxumba.

Sato explica que esse quadro não é transmissível.

Não devem se vacinar contra o sarampo imunodeprimidos, quem toma corticoide em dose alta ou por tempo prolongado, transplantados, pessoas com HIV com imunidade muito baixa e grávidas.

As mulheres devem aguardar 30 dias para engravidar, porque na vacina tríplice viral está o vírus atenuado da rubéola, que cruza a placenta e pode provocar má-formação fetal.

Quem já teve reação anafilática (alergia grave) a doses anteriores não deve ser vacinado nem em ações de bloqueio. O ideal nesses casos é consultar o médico.

O número de casos de sarampo no estado de São Paulo teve aumento de 20,4% na semana até 11 de setembro, segundo a Secretaria Estadual da Saúde.

Foram confirmados 3.591 casos, 609 a mais que na semana passada. Três pessoas morreram –um homem de 42 anos e dois bebês.

A vacinação para bebês de 6 meses a 11 meses e 29 dias continua. Basta procurar o posto de saúde mais perto de onde mora. A vacina é gratuita.

É importante lembrar que essa dose não substitui as do calendário nacional, que preconiza duas doses aos 12 meses e aos 15 meses.

Veja também

Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus
Saúde

Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte
internacional

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte