Caruaru

Reabertura da Feira de Caruaru contará com fiscalização da Polícia Militar

A Feira da Sulanca da cidade voltará a funcionar neste domingo (9)

Feira da Sulanca, em CaruaruFeira da Sulanca, em Caruaru - Foto: Divulgação

A reabertura da Feira da Sulanca de Caruaru contará com atuação da Polícia Militar para patrulhamento e monitoração. As atividades da feira foram suspensas em março, seguindo o protocolo estadual para reduzir os efeitos da pandemia no Estado. Serão 148 policiais atuando no sentido de apoiar medidas de controle para evitar a disseminação do novo coronavírus. 

Dentro do plano de convivência com a Covid-19, as feiras de confecções do Agreste estavam com o retorno previsto para a etapa 7. Contudo, a liberação foi adiantada ainda para a etapa 6 - atual do plano de convivência na região. A responsabilidade sobre a fiscalização e funcionamento das feiras ficou a cargo das prefeituras, que contarão com o apoio do Governo do Estado.


Em Caruaru, o primeiro dia de retorno será este domingo (9), a feira acontece entre o domingo e a segunda-feira. O reforço da Polícia Militar terá início na tarde do domingo e seguirá até o início da noite da segunda. Trata-se de um esforço conjunto entre a prefeitura da cidade e o Governo de Pernambuco para garantir maior segurança no retorno da importante fonte de renda para a população caruaruense.

Os policiais irão atuar apoiando a Prefeitura Municipal de Caruaru nas ações e protocolos por ela estabelecidos para reabertura da Feira, assim como realizar a segurança dos comerciantes, sulanqueiros e público em geral, que normalmente convergem para o Parque 18 de Maio e adjacências nos dias de feira.
 

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres