Recém-nascido é socorrido por telefone após se engasgar com leite materno

Ao perceber que o bebê estava sem respirar, a irmã mais velha ligou para a emergência e a família recebeu orientações do Corpo de Bombeiros para salvar o menino

Sargento Darlan foi o responsável pelo resgateSargento Darlan foi o responsável pelo resgate - Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Pernambuco

Um bebê de 16 dias se engasgou com leite materno, na noite da última quarta-feira (2), na rua Coronel Sucupira, no Zumbi do Pacheco, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife. Ao perceber que ele estava sem respirar, a irmã mais velha, uma adolescente de 17 anos, prontamente ligou para a emergência e a família recebeu orientações do Corpo de Bombeiros para salvar o recém-nascido.

“Ele estava tomando mamadeira, no meu colo, quando engasgou. Nós o colocamos emborcado e demos alguns tapinhas nas costas dele, mas ele foi ficando roxinho. Aí minha filha ligou para a emergência e o bombeiro foi orientando”, conta Sueli Bezerra, 41 anos, mãe do pequeno Gustavo. “O bombeiro falava e meu marido que fez tudo. Eu estava paralisada”, continua.

Leia também:
Menino de três anos é socorrido após afogamento em colégio em Abreu e Lima
Equipe de resgate dos Bombeiros é acionada para tirar gato de trás de geladeira


Ainda de acordo com Sueli, o atendimento foi muito rápido e eficaz. “Foi essencial”. Ela conta que após os primeiros socorros, uma viatura levou Gustavo e a família até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Lagoa Encantada, na Zona Sul do Recife, onde o menino foi atendido mas não precisou ser medicado. “Agora ele está bem. Dormiu a noite toda. Nós ficamos de vigília, mas deu tudo certo”, completa a mãe do bebê.

Segundo sargento Darlan do Corpo de Bombeiros, despachante do CIODS, quem conduziu o procedimento de socorro, é comum a este tipo de ocorrência, principalmente durante a madrugada. “Todo socorrista tem uma história dessas para contar, seja com bebês, crianças ou adultos. Mas com bebês é mais comum”, conta o orientador.

“A família ligou para a emergência e a central transferiu para o 192, no caso, para mim. Comecei a fazer perguntas sobre a idade, o que tinha causado o engasgo, como estava a aparência do bebê, se ele estava ficando arroxeado e etc. A partir disso, começamos o procedimento padrão de colocá-lo de bruços, dar cinco tapinhas leves, nas espera que ele consiga expelir o líquido que estava desobstruindo as vias aéreas. Repetimos isso três vezes até que o bebê vomitou todo o leite e voltou a respirar”, explica o sargento Darlan.

“É gratificante saber que Deus está me usando para fazer o bem. Num momento como este, você não pode se envolver e manter a calma. Além disso, você precisa passar essa calma para que a pessoa consiga realizar o procedimento. É só gratificante”, finaliza.

Veja também

Pernambuco recebe 3º lote com 26.910 doses da vacina Pfizer/BioNtech
Coronavírus

Pernambuco recebe 3º lote com 26.910 doses da vacina Pfizer/BioNtech

Comissão dá parecer inicial contra inclusão de 'pulmão artificial' e remédio contra a Covid no SUS
Coronavirus

Comissão dá parecer inicial contra inclusão de 'pulmão artificial' e remédio contra a Covid no SUS