Recife debate desenvolvimento

Arquitetos e gestores discutem como afinar as cidades pernambucanas com a Nova Agenda Urbana, da ONU, escrita em dezembro passado

Capital tem projeto de mudanças urbanísticas para 2037, quando a Cidade faz aniversário de 500 anosCapital tem projeto de mudanças urbanísticas para 2037, quando a Cidade faz aniversário de 500 anos - Foto: Arquivo Folha

As transformação urbanas ocorrem devagar em grandes cidades como o Recife e a preocupação com a lentidão no desenvolvimento é mundial. O problema levou a Habitat 3, conferência da Organização das Nações Unidas sobre Habitação e Desenvolvimento Urbano Sustentável, a adotar uma Nova Agenda Urbana em dezembro passado. Ela preza pela precisão do desenho e planejamento, pela adoção de uma legislação adequada e responsável e pela criação de um plano de financiamento seguro e viável. Para que a Capital pernambucana chegue a um patamar global e avance na adoção da Agenda, o Fórum Internacional Hoje: Implementando Cidades Sustentáveis é realizado desta terça-feira (25) até quinta-feira no Centro de Convenções de Pernambuco.

De acordo com o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-PE), Roberto Montezuma, os objetivos que giram em torno do projeto Recife 500 Anos, programa que estabelece metas para a Capital até a passagem de seu quinto centenário, são afins aos da Nova Agenda Urbana. “Há várias metas para os próximos 20 anos. A cidade é o lugar das grandes oportunidades. As que não têm planejamento a longo prazo se colapsarão”, preconiza. Ainda para Montezuma, é preciso desmistificar a visão do planejamento urbano, incorporando-o a todo cidadão. “Não é só discutir a transformação urbana. É saber como implementá-la hoje”, explica.

O Fórum, promovido pelo CAU-PE, em conjunto com a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), tem o tema “A Cidade que Precisamos”, com o objetivo provocar gestores públicos e a própria sociedade a refletir sobre o projeto de cidade sustentável e urbanisticamente integrada. A programação conta com palestras, debates e oficinas temáticas. As principais apresentações versam sobre “Os Desafios da Gestão Municipal no Contexto Nacional”; “Cidade Parque”, sobre a reconciliação da natureza com o espaço público; “Cidades Resilientes”, sobre planejamento voltado a responder mudanças climáticas; “Cidades Criativas”, sobre cultura local e inovação como elementos estratégicos para o desenvolvimento urbano e humano sustentável; “Metrópoles e Cidades Interligadas”; “Cidades Planejadas”; “Cidades Inclusivas”; “Boas Práticas Urbanas”; e “Serviços Públicos Estratégicos: Iluminação e Saneamento”.

Na abertura, hoje à tarde, o tema “Planejamento Integrado como Estratégia de Transformação Urbana” tem como palestrante o consultor de arquitetura e urbanismo Gustavo Restrepo, um dos responsáveis pelo projeto de transformação urbana de Medellín. Considerada a pior cidade do mundo, nos anos 1990, sobretudo por causa da violência gerada pelo narcotráfico, a metrópole colombiana recebeu em 2013 o título de Cidade Mais Inovadora do Planeta, segundo The Wall Street Journal e o Urban Land Institute.

Ainda este ano, o Fórum conta com outras duas etapas. A primeira, em 23 e 24 de agosto, na sede do Inciti/UFPE (Bairro do Recife), reunirá pesquisadores da Rede de Centros de Estudos em Desenvolvimento Urbano Sustentável na América Latina e Caribe (Redeus-LAC) para consolidar os conteúdos visando à implantação da Nova Agenda Urbana. Depois, estão previstas três edições do Urban Thinkers Campus nas cidades de Belo Jardim (9 a 11 de setembro), Petrolina (25 a 27 de outubro) e Recife (22 a 24 de novembro), sob o tema Águas Urbanas pela Resiliência Social e Ambiental. A meta é desenvolver ações relacionadas à água nos contextos urbanos, sociais e hídricos do Estado.

Mais informações sobre o Fórum Internacional Hoje: Implementando Cidades Sustentáveis podem ser obtidas no site: www.hojecidadessustentaveis.com.br.

Veja também

Jacarés invadem centro comercial no Paraguai
América Latina

Jacarés invadem centro comercial no Paraguai

'Falta compostura ao presidente', diz presidente da ABI sobre ataque de Bolsonaro à imprensa
Imprensa

'Falta compostura ao presidente', diz presidente da ABI sobre ataque de Bolsonaro à imprensa