Recife é a quarta cidade do País com mais espaços reservados ao transporte público, diz pesquisa

Com 114,33 quilômetros de corredores e faixas exclusivas de ônibus e BRT, Capital pernambucana ficou em primeiro lugar no Nordeste em levantamento da NTU.

Avenida Guararapes, no Centro do Recife, é uma das vias com espaço exclusivo para ônibus e BRTAvenida Guararapes, no Centro do Recife, é uma das vias com espaço exclusivo para ônibus e BRT - Foto: Lidiane Mota/Folha de Pernambuco

Iniciativa adotada em algumas das grandes metrópoles do mundo, como Londres e Madri, a priorização do transporte público combinada à restrição da circulação de carros em áreas centrais é uma política que, segundo estudiosos, ajuda a reduzir os engarrafamentos e melhorar a mobilidade. Diante dessa tendência, um levantamento da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) publicado este mês coloca o Recife como a quarta cidade do País e a primeira do Nordeste com mais espaços reservados ao tráfego exclusivo de ônibus e Bus Rapid Transport (BRT).

De acordo com o documento “Empreendimentos de Priorização do Transporte Público”, a Capital pernambucana tem 114,33 quilômetros de locais de uso exclusivo desses dois tipos de transporte coletivo, ficando atrás apenas de São Paulo (595,3 km), Rio de Janeiro (165,4 km) e Curitiba (129,15 km). Já quando se analisa a distribuição dessa quilometragem por cada 100 mil passageiros transportados por dia, a Cidade passa para a décima colocação no País, com 10,65 km, um pouco abaixo de São Paulo e de outras capitais nordestinas como Aracaju, Fortaleza, João Pessoa e Maceió. Em primeiro lugar, ficou Mogi das Cruzes, no estado de São Paulo. Os dados são separados por município, sem considerar a soma nas Regiões Metropolitanas.

Leia também:
Governo de Pernambuco anuncia que passagens de ônibus não terão reajuste
Idoso ganha VEM especial, que permite gratuidade nos ônibus da RMR; saiba como tirar


Do total de 114,33 km com prioridade para o transporte coletivo no Recife, a maior parte, 40%, fazem parte do Sistema Via Livre do BRT, enquanto os 35% são faixas exclusivas e cerca de 25% correspondem a corredores para ônibus convencionais. A pesquisa tomou como base dados oficiais a partir de projetos financiados pelo Governo Federal desde a criação do antigo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que também teve um segmento voltado para investimentos na área de mobilidade.

De acordo com o presidente da NTU, Otávio Cunha, a distribuição desses recursos se deu de forma desigual pelo País, principalmente para a implantação do BRT, que tem um custo maior. “Foram disponibilizados [pelo PAC] R$ 150 bilhões apenas para financiar as obras. Os projetos de BRT vão atuar nas áreas de maior demanda, nas grandes avenidas, e normalmente exigem desapropriações, mas muitos municípios não tinham dinheiro para isso e não tomaram esses recursos”, explica. A exemplo do próprio Recife, a maior parte desses projetos, que se concentrou nas capitais, foi impulsionada pelos investimentos para a Copa do Mundo de 2014.

Para o professor Oswaldo Lima Neto, doutor em Planejamento de Transportes Urbanos, apesar dos avanços, é preciso investir na infraestrutura de alguns pontos da Região Metropolitana para garantir o pleno funcionamento dos modais. “O BRT é um sistema que só funciona quando tem total liberdade de operar num corredor exclusivo direto. Aqui, o BRT, em Camaragibe, entra misturado com os carros e, no Corredor Norte/Sul, ele vem bem de Igarassu, mas, quando chega à Cruz Cabugá, perde a prioridade. E as Faixas Azuis têm que ter uma fiscalização muito forte”, defende.

Ganho de velocidade é de 40%, diz CTTU
A presidente da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), Taciana Ferreira, diz que, nas vias contempladas com as faixas segregadas, a velocidade dos ônibus cresce, em média, de 35% a 40%. Entre os investimentos previstos para os próximos meses, está a Faixa Azul da Agamenon Magalhães, que deve ser entregue ainda no primeiro semestre de 2020, além de corredores e trechos restritos para ônibus no projeto de requalificação da Conde da Boa Vista.

“Na Agamenon, fizemos o estudo. Na Boa Vista, o BRT vai circular no meio da via e as linhas convencionais à direita. E vamos permitir que o carro ande apenas em uma parte da avenida para que transite mais pelas paralelas”, detalha.

Os usuários sentem a diferença. “É bem diferente. Um lugar que não é exclusivo, todo mundo usa”, comenta a aposentada Adilanete Gomes, 55 anos, que mora em Afogados e costuma andar de ônibus para ir ao Centro. “Quando a gente vem pela Abdias de Carvalho, tem um desconforto. Mas, a partir do Derby, é mais rápido”, conta. A secretária Eliane Nascimento, 40, que usa o BRT toda semana, vive a mesma situação. “Na Caxangá, flui rápido. Mas, na Madalena, no Internacional, demora bastante. Às vezes só dali até o Derby você gasta 20 minutos”, relata.

Segundo Taciana Ferreira, trechos como o da rua Benfica, citado por Eliane, precisam de obras estruturais para que o tráfego seja segregado. “Ali nós temos um problema de limite de capacidade. A gente conseguiu levar a faixa de BRT até o cruzamento com a rua Demócrito de Souza Filho, mas, a partir disso, é preciso alguma obra física de recuo para que tivéssemos espaço para o BRT e as linhas convencionais”, afirma.

Já a implantação de mais faixas esbarra na demanda de cada via. “A partir de 60 ou 70 ônibus por hora é que se considera uma via com indicativo para faixa exclusiva”, afirma a presidente da CTTU. Segundo o órgão, hoje a Cidade tem 58 km de Faixa Azul em nove vias. Quando o projeto foi inaugurado, em 2013, a meta era implantar, até 2014, 60 km em doze vias, incluindo avenidas como Beberibe, Estrada de Água Fria e Abdias de Carvalho, que não contam com o espaço seletivo.

Cinco cidades com mais quilômetros de priorização de ônibus:

São Paulo - 595,3 km
Rio de Janeiro - 165,4 km
Curitiba - 129,5 km
Recife - 114,33 km
Fortaleza - 113,9 km

Dez cidades com mais quilômetros por cada 100 mil passageiros por dia:

Mogi das Cruzes (SP) - 105 km
Aracaju - 37,24 km
Curitiba - 20,56 km
Fortaleza - 17 km
Natal - 15,12 km
João Pessoa - 14,8 km
Goiânia - 14,54 km
Maceió - 14,14 km
São Paulo - 13,25 km
Recife - 10,65 km

Fonte: Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU)

Veja também

Pandemia de Covid causou aumento de mortes por malária em 2020, diz OMSMalária

Pandemia de Covid causou aumento de mortes por malária em 2020, diz OMS

Projeto cria cadastro nacional de pedófilosJustiça

Projeto cria cadastro nacional de pedófilos