Recife terá Brigada Maria da Penha para dar assistência a mulheres violentadas

A Prefeitura do Recife criou grupo de Guarda Municipal que atenderá mulheres do sob medidas protetivas do Centro Clarice Lispector

Guarda Municipal do RecifeGuarda Municipal do Recife - Foto: Divulgação/ Andrea Rego Barros

A partir desta sexta-feira (9), o Recife contará com um novo dispositivo de proteção à mulher. A Brigada Maria da Penha, nova divisão da Guarda Municipal, lançada pela prefeitura da capital no Dia Internacional da Mulher (8), deverá  acompanhar as mulheres vítimas de violência e sob medidas protetivas atendidas pelo Centro de Referência Clarice Lispector.

Leia também:
No Dia da Mulher, delegacia promove ações de saúde e cidadania
Temer defende igualdade entre homens e mulheres prevista na Constituição
Lei Maria da Penha completa 11 anos


Seguindo os padrões de divisão semelhante do município de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, a Brigada foi treinada com conhecimentos sobre machismo, feminicídio e direitos para oferecer cuidados humanizados às pessoas que acolhem, incluindo mulheres transgênero. O grupo conta com 10 guardas e uma coordenadora, além de ter viatura própria.

A Brigada dará suporte à equipe da Secretaria da Mulher em oitivas em delegacias, audiências, visitas domiciliares e ações pedagógicas. Segundo a secretária da Mulher do Recife, Cida Pedrosa, o lançamento reforça que a luta para garantir os direitos das mulheres deve ser diária. "Nós queremos mais que flores e um dia internacional; nós queremos igualdade. Enquanto tivermos uma mulher oprimida e sofrendo violência, não teremos a qualidade de vida que o mundo precisa".

Durante o ato, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, reforçou que as comemorações do dia não devem arrefecer no resto do ano e a saída para isso é a militância feminista. "Eu sou feminista com muito orgulho", afirmou. "Que a gente faça de todos os dias do ano o dia da mulher e que essa pauta seja diária entre todos os brasileiros". Ele ainda ressaltou a importância de olhar, principalmente para as as mulheres que vivem nos locais mais longínquos e pobres.  

Veja também

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado
meio ambiente

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado

Pandemia causa atrasos nas obras de recuperação de Mariana
Mariana

Pandemia causa atrasos nas obras de recuperação de Mariana