Rede hospitalar do Interior será reforçada em junho

Previsão é de abertura de três hospitais de campanha no Agreste e Sertão, além de leitos de UTI em outras áreas

Hospital Mestre VitalinoHospital Mestre Vitalino - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

Uma das prioridades no planejamento da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) para o mês de junho é ampliar a rede hospitalar do Interior para o enfrentamento da Covid-19. Três hospitais de campanha estão sendo montados nas regiões do Agreste e Sertão.

Em Caruaru serão instalados 104 leitos, sendo 76 de enfermaria, 26 semi-intensivos e dois de estabilização. Serra Talhada terá 95 leitos (72 de enfermaria, 22 semi-intensivos e um leito para estabilização). Já o Hospital de Campanha de Petrolina terá capacidade para 102 leitos (74 de enfermaria, 26 de tratamento semi-intensivo e duas vagas para estabilização). Nos próximos dias, a meta é entregar 38 leitos de terapia intensiva (UTIs), distribuídos nas cidades de Vitória de Santo Antão, Garanhuns, Caruaru, Serra Talhada e Goiana.

Até o momento, o Estado garantiu a abertura de 421 leitos dedicados exclusivamente a pacientes com quadros suspeitos ou confirmados da Covid-19 em 13 cidades polo do Interior, sendo 139 UTIs e 282 enfermarias. As UTIs estão distribuídas em hospitais de Palmares, Limoeiro, Goiana, Caruaru, Garanhuns, Arcoverde, Salgueiro, Araripina e Petrolina.

No total, a rede hospitalar do Estado conta, nesta sexta-feira (29), com 1.447 leitos dedicados ao enfrentamento da pandemia, dos quais 635 são de terapia intensiva e 812 são enfermarias. A ocupação média da rede é de 85%, sendo 96% nas UTIs e 78% nas enfermarias.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Cientistas encontram nova espécie de macaco brasileiro em região de Mato Grosso
Descoberta

Cientistas encontram nova espécie de macaco brasileiro em região de Mato Grosso

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'
CPI da Covid

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'