Mundo

Reforma constitucional de Putin mostra lacuna geracional na Rússia

As 61% das pessoas com entre 18 e 24 anos estimam que "a Rússia não está indo na direção certa" e apenas 33% apoiam as reformas da Constituição

Presidente russo Vladimir PutinPresidente russo Vladimir Putin - Foto: Pavel Golovkin / POOL / AFP

Liudmila Yudina, de 81 anos, ortopedista aposentada e defensora de Vladimir Putin, briga há semanas com seus dois netos, que são contra a reforma constitucional promovida pelo presidente russo.

As emendas apresentadas aos russos no referendo de 1º de julho - que incluem extensão dos mandatos do presidente, fé em Deus, rejeição ao casamento gay e patriotismo - mostram o primeiro hiato geracional desde a queda da URSS, de acordo com sociólogos.

"Eu explico [aos meus netos] que não há nada de criminoso nessas emendas, que ele é o primeiro presidente de quem não devemos ter vergonha, que é firme e sabe como defender nosso país no exterior", diz Liudmila, depois de uma refeição em família em sua dacha (casa de campo) em Andreevskaya, a 50 quilômetros de Moscou.

Mas, de acordo com a octogenária, "infelizmente, a nova geração está do lado do Ocidente, em vez de preservar os valores característicos russos". Essa avó escolhe suas palavras para explicar a Ivan, de 19 anos, e Ilia, 20, que o artigo reservado ao casamento entre um homem e uma mulher procura defender "a verdadeira família".

Ivan opina que "são os jovens que terão que viver com esta Constituição" e que eles não querem uma "Rússia totalitária ainda mais conservadora e que exibe sua força". Ilia, estudante da prestigiada Universidade Lomonossov de Moscou, está indignada com essa reforma de "fachada" e cujo "objetivo principal" é garantir que Putin permaneça no poder até 2036, quando terá 84 anos.

Para ela, os idosos estão condicionados desde os tempos soviéticos pelo discurso e propaganda oficiais divulgados pela mídia pública. Seu caso não é o único. Segundo pesquisas, a maioria dos russos entre 18 e 24 anos está insatisfeita com a política adotada, diz o sociólogo Alexéi Levinson.

No entanto, esse mesmo grupo etário conhece apenas um presidente: Vladimir Putin. Um estudo do instituto independente Levada-Center mostra que 61% das pessoas com entre 18 e 24 anos estimam que "a Rússia não está indo na direção certa" e apenas 33% apoiam as reformas da Constituição, em comparação com 45% que se opõem a ela.

- Referendo vergonhoso -
No lado oposto da pirâmide etária, 65% dos russos com mais de 65 anos consideram o país no caminho certo, 71% são favoráveis às emendas e 11% contra. 

"A nova geração prefere as liberdades individuais aos valores tradicionais e não aprecia esse poder imutável", explica Levinson. Um dos porta-vozes desta geração é a estrela da internet Yury Dud, de 33 anos, que ganhou fama por seus documentários on-line. Um deles acumulou 18 milhões de visualizações em fevereiro, expondo a devastação do HIV na Rússia e denunciando a indiferença das autoridades.

Em 20 de junho, Dud denunciou no Instagram "um referendo vergonhoso" que visava apenas prolongar o reinado de Putin. O post recebeu mais de um milhão de curtidas. Svetlana Khokhlova, de 50 anos, ex-deputada conservadora do distrito de Istra, perto de Moscou, estima que essa oposição juvenil se deve principalmente à "propaganda antirussa". 

Para alcançar jovens que pouco se informam por meio da mídia tradicional, essa militante ortodoxa tem como missão explicar nas redes sociais a importância de ir votar. "É simples: aqueles que hoje são contra a Constituição de Putin não conheceram a URSS como uma superpotência e não conheceram o desastre dos primeiros anos pós-soviéticos", explica à AFP.

"Tenho três netos [...] e não quero que meus bisnetos sejam pessoas sem gênero, nacionalidade ou pátria", resume com lágrimas nos olhos. No entanto, ela pode ficar tranquila, pois a oposição juvenil não deve impedir a adoção das reformas por uma grande maioria no dia 1º de julho.

Veja também

Estoques de hidroxicloroquina no país estão zerados, diz Pazuello
cloroquina

Estoques de hidroxicloroquina no país estão zerados, diz Pazuello

Saúde: R$ 70 milhões foram aplicados em saúde indígena contra Covid-19
coronavírus

Saúde: R$ 70 milhões foram aplicados em saúde indígena contra Covid-19