Regina Duarte dá chilique ao vivo na TV ao ouvir críticas à sua gestão

'Sou leve, tô viva! Vamo ficar vivo! Pra que olhar pra trás?', disse a secretária especial da Cultura

Regina DuarteRegina Duarte - Foto: Marcos Corrêa/PR

A secretária especial da Cultura minimizou críticas quanto a elogios de Bolsonaro à ditadura militar em entrevista à CNN Brasil. "Tem que olhar para frente, tem que amar o país. Ficar cobrando coisas que aconteceram nos anos 1960, 1970, 1980? Gente, vamos pra frente." E completou cantando "Pra Frente Brasil"

"Houve tortura. Stalin, quantas mortes? Hitler, quantas mortes? Não quero arrastar um cemitério de morte nas minhas costas. Sou leve, tô viva! Vamo ficar vivo! Pra que olhar pra trás?"

A secretária ainda disse que a Covid-19 está "trazendo uma mormidez insuportável. Isso é perigoso pra cabeça das pessoas".

Leia também:
Antes de encontrar Bolsonaro, Regina Duarte publica áudio sobre homem 'traído'
Com futuro incerto, Regina apresenta plano de cultura para Bolsonaro e desafeto


Durante a entrevista, foi exibida um vídeo de Maitê Proença que disse: "Regina, eu apoiei desde o início uma opinião que divergia da maioria dos seus. Estou aqui clamando para que se apresentem os feitos. Fale com sua classe!"

Por erro técnico, Regina não conseguiu ouvir, e entendeu que se tratava de um vídeo antigo.

"Telespectadores, desculpe o chilique", disse Regina, antes de que pudesse ouvir o vídeo.

"Tá desenterrando o vídeo da Maitê para quê? Ela tem o meu telefone, ela fala comigo."

"Eu tinha tanta coisa bacana para falar. Vocês estão desenterrando mortos", disse a atriz. Logo em seguida, a entrevista foi encerrada.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Nova York exigirá certificado de vacinação para restaurantes, shows e academias
Vacinação

Nova York exigirá certificado de vacinação para restaurantes, shows e academias

Pernambuco registra 772 novos casos e 35 óbitos pela Covid-19 nas últimas 24 horas
Coronavírus

Pernambuco registra 772 novos casos e 35 óbitos nas últimas 24h