TEMPERATURA

Reino Unido registra o mês de junho mais quente

A temperatura média alcançou os 15,8 ºC, ou seja, 0,9 ºC a mais que o recorde anterior de 14,9 ºC

Reino UnidoReino Unido - Foto: Justin Tallis/AFP

O Reino Unido viveu o mês de junho mais quente em termos de temperatura média - entre a máxima e a mínima - desde o começo dos registros, informou o serviço meteorológico britânico, alertando que estes recordes devem aumentar com as mudanças climáticas.

A temperatura média alcançou os 15,8 ºC, ou seja, 0,9 ºC a mais que o recorde anterior de 14,9 ºC registrado em junho dos anos de 1940 e 1976, especificou o Met Office.

O país sofreu vários dias de calor intenso em meados de junho, o que levou ao racionamento de água por parte das autoridades no sudeste da Inglaterra.

"É oficialmente o mês de junho mais quente para o Reino Unido, em termos de temperatura média, como de temperatura mínima e máxima, com um pico de 32,2 ºC alcançados", detalhou Mark McCarthy, do serviço meteorológico britânico, citado em um comunicado.

"O que impressiona é a persistência do calor durante uma grande parte do mês, com temperaturas em torno de 25 ºC, e às vezes até um pouco acima dos 30 ºC", acrescentou.

A precipitação também ficou abaixo da média, com apenas 52,2mm de chuva, ou seja, 68% da média para um mês de junho.

De acordo com uma pesquisa do Met Office, a probabilidade do Reino Unido quebrar esses recordes de calor nos próximos anos aumentou.

"Além da variabilidade natural (climática), o contexto de aquecimento da atmosfera da Terra devido às mudanças climáticas induzidas pela atividade humana aumentou a possibilidade de atingir recordes de temperaturas elevadas", disse o meteorologista da agência, Paul Davies.

Veja também

Novo Ensino Médio: relatora muda o texto, aumenta carga horária e propõe regra de transição
educação

Novo Ensino Médio: relatora muda o texto, aumenta carga horária e propõe regra de transição

Parkinson: ligação com bactérias do intestino aponta novo caminho para tratamento
neurodivergência

Parkinson: ligação com bactérias do intestino aponta novo caminho para tratamento

Newsletter