Coroação

Reino Unido se prepara para coroar Charles III

Cerimônia acontece no próximo sábado (6) na Abadia de Westminster diante de 2.000 convidados

O rei Charles III da Grã-Bretanha se reúne com convidados da Garden Party no Palácio de Buckingham, em Londres, em 3 de maio de 2023 para celebrar a cerimônia de coroação dele e de sua esposa Camilla.O rei Charles III da Grã-Bretanha se reúne com convidados da Garden Party no Palácio de Buckingham, em Londres, em 3 de maio de 2023 para celebrar a cerimônia de coroação dele e de sua esposa Camilla. - Foto: Jonathan Brady/POOL/AFP

Charles III será oficialmente coroado em Londres neste sábado (6), em uma cerimônia rica em tradição, mas que o rei britânico quer mais simples e moderna do que a de Elizabeth II há 70 anos. E isso desperta muito menos interesse.

Sua coroação, em 6 de maio na Abadia de Westminster diante de 2.000 convidados, incluindo chefes de Estado, cabeças coroadas e membros da sociedade civil, acontecerá oito meses depois que ele assumiu o trono com a morte de sua mãe, que reinou por sete décadas.

A coroação da muito jovem Elizabeth II em 1953 teve 8.000 convidados, uma carruagem do século XVIII e durou três horas.

A de Charles III, de 74 anos e que substituía a mãe há muito tempo, será limitada a pouco mais de uma hora e terá elementos modernos, como uma carruagem climatizada e um óleo vegano.

Mas se a coroação de Elizabeth II foi acompanhada pela BBC por 27 milhões dos então 36 milhões de britânicos, agora 64% dizem não estar interessados, segundo uma pesquisa da YouGov.

Em um Reino Unido em plena crise, com a inflação que não fica abaixo dos 10%, outra pesquisa mostrou que para 51% dos britânicos a cerimônia não deveria ser paga com dinheiro público.

Não haverá "extravagância ou excesso", prometeu o ministro do gabinete Oliver Dowden. Mas "é um momento maravilhoso da nossa história e as pessoas não gostariam de nos ver economizando", acrescentou.

Charles III, cujo papel é meramente cerimonial e sem poder político, chega ao trono em um Reino Unido com múltiplos desafios. Entre eles, aspirações separatistas em duas de suas nações - Escócia e Irlanda do Norte - e a revisão do passado colonial e escravista, que levou o novo rei a apoiar uma investigação sobre o papel da monarquia no tráfico de escravos.

Neste contexto, o grupo antimonarquista Republic planeja um protesto no centro de Londres no dia da coroação.

"A coroação é a celebração do poder e privilégios hereditários, não tem lugar na sociedade moderna", disse seu presidente, Graham Smith.

Harry sem Meghan

Mas o que mais parece interessar a opinião pública é a presença do príncipe Harry entre os convidados.

Depois de lançar duras críticas à monarquia em um documentário da Netflix e em um livro de memórias explosivo, o filho mais novo de Charles III, de 38 anos, comparecerá à cerimônia sozinho.

Sua esposa Meghan, que chegou a acusar um membro não identificado da família real de racismo, ficará com os filhos na Califórnia, onde o casal vive desde que abandonou a monarquia em 2020.

A coroação em si começará pela manhã com uma procissão de carruagem do Palácio de Buckingham até a Abadia de Westminster. Lá, Charles III prestará juramento antes de ser ungido pelo arcebispo de Canterbury, Justin Welby, nas mãos, cabeça e peito.

Em seguida, receberá os atributos reais: manto, orbe, cetro e coroa de Edward, do século XVII, adaptada para a ocasião.

Camilla, de 75 anos, com quem se casou pela segunda vez em 2005, será coroada com a coroa da rainha Mary, avó de Elizabeth II.

Uma nova procissão, acompanhada por 4.000 soldados em uniforme de gala, os levará de volta ao palácio, de onde saudarão a multidão e assistirão a um desfile aéreo.

Veja também

Quatro navios dos EUA encalham perto de cais temporário em Gaza
Gaza

Quatro navios dos EUA encalham perto de cais temporário em Gaza

Governo do Rio Grande do Sul sanciona lei que institui plano de reconstrução do estado
Rio Grande do Sul

Governo do Rio Grande do Sul sanciona lei que institui plano de reconstrução do estado

Newsletter