A-A+

Relatório

Relatório da ONU alerta para risco de fome na Coreia do Norte

A empobrecida nação adotou um rígido bloqueio no início do ano passado para proteger-se da pandemia, o que enfraqueceu sua economia

ONUONU - Foto: POOL/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP

A população mais vulnerável da Coreia do Norte está "em risco de fome" diante do agravamento da situação econômica provocada pelo bloqueio imposto pelo país para combater o coronavírus e as sanções internacionais por seu programa nuclear, adverte um relatório da ONU.

A empobrecida nação adotou um rígido bloqueio no início do ano passado para proteger-se da pandemia, o que enfraqueceu sua economia e reduziu ao mínimo o comércio com a China, principal aliada da Coreia do Norte.

O canal estatal KCTV admitiu em julho que a Coreia do Norte enfrentava uma "crise alimentar", com um setor agrícola em dificuldades que lutava para alimentar a população.

No mesmo mês, o dirigente Kim Jong Un declarou que a situação alimentar estava "ficando tensa".

Os norte-coreanos "lutam diariamente (...) para levar uma vida com dignidade" e o agravamento da situação humanitária poderia "virar uma crise", destaca no relatório Tomas Ojea Quintana, relator especial da ONU para direitos humanos.

Pyongyang enfrenta múltiplas sanções internacionais por seus programas nuclear e balístico, que avançaram rapidamente sob o governo de Kim.

Quintana afirma que as restrições devem ser flexibilizadas para proteger os mais vulneráveis do país ante a severa escassez alimentar.

"As crianças e os idosos mais vulneráveis estão em risco de fome", completou.

"As sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU devem ser revistas e aliviadas quando necessário para facilitar a entrega de assistência humanitária", afirma o relatório.

O documento foi divulgado três meses depois de a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) afirmar que a Coreia do Norte enfrenta uma carência de quase 860 mil toneladas de alimentos este ano.

Pyongyang abandonou as negociações sobre seu programa nuclear desde o fracasso da segunda reunião de cúpula entre Kim e o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Hanói, Vietnã, em 2019.

Com o atual presidente Joe Biden, Washington declarou a disposição de reunir-se com representantes norte-coreanos, ao mesmo tempo que insiste em buscar a desnuclearização.

Mas esta semana, Kim Jong Un culpou Washington pelas relações tensas e afirmou que as armas nucleares são defensivas, não dirigidas a algum país em particular.

Veja também

Nova imagem mostra Dr. Jairinho no elevador com Henry no dia da morte do menino
Crime

Nova imagem mostra Dr. Jairinho no elevador com Henry no dia da morte do menino

Alphabet (Google) supera previsões com lucro de US$ 18,9 bi no 3T
Google

Alphabet (Google) supera previsões com lucro de US$ 18,9 bi no 3T