Rio Branco tem 1ª etapa aberta

Trecho de 66 metros da avenida ganhou piso em granito e no nível das calçadas. Outros trechos ficam prontos até novembro

Alcione: “Outras áreas poderiam receber esse investimento”Alcione: “Outras áreas poderiam receber esse investimento” - Foto: Ed Machado

É um trecho de apenas 66 metros entre o cais e a rua do Apolo, ainda carente de acabamentos e sem qualquer mobiliário urbano, como bancos de praça ou parklets, mas que já mostra um pouco de como será o primeiro boulevard da capital pernambucana.

Trata-se da primeira etapa da obra de pedestrianização da avenida Rio Branco, no Bairro do Recife, que já está aberta ao público. A área, que antes era coberta por asfalto e uma pintura improvisada, recebeu um piso de granito em tom cinza no mesmo nível da calçada e do Marco Zero, ao qual será integrada. Conforme a Secretaria Estadual de Turismo, Esportes e Lazer (Seturel), que realiza a obra por meio do Produtur, todo o projeto deve ser concluído até novembro deste ano.

Na segunda (5), no trecho entregue, já não havia tapumes. Pedestres e ciclistas podiam percorrê-lo naturalmente. Nas calçadas, porém, ainda eram feitos serviços referentes ao embutimento da fiação elétrica. Blocos do piso amontoados no meio do passeio público também indicavam que o canteiro de obras ainda está em plena atividade. O office boy João Caros de Lima aprovou a novidade, mas criticou a demora para tudo sair do papel.

 “É muito tempo com esses transtornos causados pelas interdições aqui”, avaliou. Já a professora Alcione Soares disse acreditar que os recursos seriam melhor investidos em outras necessidades. “As pontes próximas daqui estão precisando de reformas, por exemplo. Estão precárias”, afirmou. A universitária Maria Luíza Zvoka defendeu mais iniciativas do tipo. “Seria bom estender essa mesma ideia para outros vias”, opinou.

Desde 2014, a avenida Rio Branco é exclusiva para pedestres e modais não motorizados, como bicicletas, o que será mantido no novo projeto. Mas é possível cruzá-las de carro pelas ruas Mariz e Barros/do Apolo, Dona Maria César/da Guia e do Bom Jesus. De acordo com a Seturel, o segundo trecho da obra, que vai da rua do Apolo à rua da Guia, será finalizado no próximo mês de julho. A terceira etapa, entre as ruas da Guia e do Bom Jesus, já teve os serviços de demolição iniciados. Por conta disso, a rua da Guia foi interditada no cruzamento com a Rio Branco.

A alternativa para os condutores é a rua do Bom Jesus. O investimento total é de R$ 4,5 milhões, com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

“A transformação da avenida em um espaço exclusivo para pedestres é fundamental para o resgate da cultura de rua. Além disso, consolida o Recife Antigo como destino turístico por sua beleza arquitetônica e importância histórica”, disse o secretário de Turismo, Esportes e Lazer, Felipe Carreras.

O novo piso de granito da via é resistente, homogêneo e de fácil manutenção, permitindo a circulação de pedestres, pessoas com deficiência e esportistas. Já o mobiliário urbano será construído principalmente em concreto armado aparente.

Os bancos terão assento e encosto em madeira ecológica reciclada, e os quiosques serão equipados com móveis, passíveis de remoção com facilidade, e estruturados em metal remetendo à ideia de contêiner, em referência à atividade portuária característica do bairro.

Veja também

Pandemia reduziu migração mundial em 30%, aponta ONU
Mundo

Pandemia reduziu migração mundial em 30%, aponta ONU

Familiares buscam cilindros de oxigênio salvar pacientes em Manaus
Pandemia

Familiares buscam cilindros de oxigênio salvar pacientes em Manaus