Rio e Bahia sem patrocínio na folia

No centro da Operação Lava Jato e acumulando prejuízos bilionários, a Petrobras já vinha reduzindo o valor destinado a patrocínios nos últimos dois anos

Carnaval do Rio de JaneiroCarnaval do Rio de Janeiro - Foto: Divulgação

 

Pela primeira vez em uma década, a Petrobras não investirá um centavo no patrocínio do Carnaval. A medida foi tomada pela nova gestão da estatal, substituída no ano passado com a ascensão de Michel Temer (PMDB) à Presidência da República.
No centro da Operação Lava Jato e acumulando prejuízos bilionários, a Petrobras já vinha reduzindo o valor destinado a patrocínios nos últimos dois anos.
Em nota, a empresa justificou os cortes alegando "questões orçamentárias" e informou que está "readequando sua carteira de projetos à luz de uma revisão de seus programas”.
A estatal já chegou a gastar R$ 22 milhões por ano com as festas em Salvador e no Rio.

No estado fluminense, patrocinou escolas de samba entre 2008 e 2015, num formato em que o valor do patrocínio era abatido de tributos pagos ao Estado. Os contratos previam repasses de R$ 12 milhões por ano à Liesa (liga das escolas de samba do Rio), que enviava R$ 1 milhão para cada escola do grupo especial. Este ano, as agremiações não receberão nenhum centavo.

 

Veja também

Secretário de Saúde de Pernambuco critica entraves diplomáticos que afetam vacinação no Brasil
Covid-19

Longo critica entraves diplomáticos à vacina: "Não podem colocar em xeque a saúde dos brasileiros"

Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões
Economia

Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões