carnaval

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021

Sem vacina contra Covid-19, evento é inviável, dizem especialistas

Carnaval no Rio de JaneiroCarnaval no Rio de Janeiro - Foto: Vladimir Platonow/Agência Brasil

Não haverá carnaval dos blocos de rua do Rio de Janeiro em 2021. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (28), em reunião virtual da qual participaram o presidente da Riotur, Fabrício Villa Flor, infectologistas e representantes dos blocos de carnaval de rua e da área de segurança pública.

“O acontecimento do carnaval está diretamente ligado à chegada da vacina. Sem vacina não é possível termos carnaval de rua, nem mesmo os desfiles das escolas de samba, como a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) já havia anunciado no mês passado”, disse Villa Flor.

A live ainda a participação da presidente da Associação Independente dos Blocos de Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Teresa e Centro da Cidade (Sebastiana), Rita Fernandes; da médica infectologista Marília Santini, da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz); do professor de epidemiologia Roberto Medronho, da Faculdade de Medicina da UFRJ;  e da promotora de Justiça Andrea Amin, coordenadora do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública do Ministério Público do Rio de Janeiro (Gaesp).

Todos concordaram que são inviáveis os desfiles de rua antes de haver vacinação segura contra a Covid-19. “Sem vacina, não é possível termos o carnaval nos moldes tradicionais, como conhecemos há décadas. Como não ouvir especialistas? Como não ouvir os que participam de toda a engrenagem dos blocos de rua? A posição dos blocos foi muito responsável, e eu os parabenizo por isso”, disse Villa Flor.

O presidente da Riotur lembrou que a pandemia não acabou. “Ainda estamos em meio à pandemia da Covid-19. Portanto, nossa posição é: sem vacina, não é possível fazermos uma previsão para a realização do Carnaval Rio 2021. Chegando a vacina, conseguiremos fazer o planejamento e falar em datas”, acrescentou.

Segundo a presidente da Sebastiana, Rita Fernandes, pela avaliação dos especialistas em saúde, até julho do ano que vem, não haverá possibilidade de imunização de toda a população do Rio. “Se liberar o público no segundo semestre, a gente não pode fazer a festa. Fica muito em cima e, do ponto de vista da regulamentação, legalização, para nós, no segundo semestre é inviável.”

Rita Fernandes informou que a Sebastiana vai procurar outras alternativas, como lives, shows transmitidos por redes sociais, eventos fechados. "Coisas assim, que a gente possa ter controle.”

Réveillon
A Riotur anunciou que a empresa SRCOM será a responsável pelo Réveillon Rio 2021.  Pela primeira vez, o evento será pago integralmente pela iniciativa privada, sem verba da prefeitura do Rio. A SRCOM apresentou seu projeto à Riotur na terça-feira (27), como determinavam as regras do Caderno de Encargos e Contrapartidas da empresa de turismo.

Em nota, a Riotur diz que a proposta apresentada pela SRCOM encaixa-se perfeitamente no novo modelo de réveillon que a prefeitura do Rio planejou para a festa da virada deste ano, em meio à pandemia da Covid-19.

“As boas-vindas ao ano de 2021 acontecerão em um formato diferente do tradicional conhecido por cariocas e turistas. No Réveillon Rio 2021 teremos seis palcos espalhados em pontos turísticos emblemáticos da cidade do Rio de Janeiro, porém, sem presença de público, com todas as áreas isoladas. O público poderá acompanhar os shows pela televisão, por um canal aberto, e pelas plataformas digitais, por meio do canal oficial da Riotur no Youtube”, explica nota.

Além dos shows, a festa do réveillon apresentará luzes e efeitos visuais inéditos no Brasil, além de uma "surpresa emocionante", que só será conhecida na noite da virada e todos poderão ver de suas casas, pela televisão e pela Internet, acrescenta a nota. “Este novo modelo vai criar uma atmosfera de respeito, com homenagens às vítimas da Covid-19 e também aos profissionais que estão na linha de frente do combate à pandemia. Além disso, a celebração inclui, pela primeira vez, uma integração entre diversos pontos de referência turística do estado do Rio no réveillon carioca.”

Veja também

Para forçar volta à escola, MEC resiste em homologar permissão de aula remota até fim de 2021
educação

Para forçar volta à escola, MEC resiste em homologar permissão de aula remota até fim de 2021

Bolsonaro nega que chamou Covid-19 de 'gripezinha' após ter usado o termo em pronunciamento oficial
Brasil

Bolsonaro nega que chamou Covid-19 de 'gripezinha' após ter usado o termo em pronunciamento oficial