Rio Una: captação d’água suspensa

MPPE recomendou a interrupção após descoberta de descarte de resíduos hospitalares e industrial no flume

Tadeu Alencar (PSB), Paulo Câmara (PSB), José Patriota (PSB) e Professor Lupércio (SD)Tadeu Alencar (PSB), Paulo Câmara (PSB), José Patriota (PSB) e Professor Lupércio (SD) - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

 

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) recomendou à gestão municipal de Água Preta, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, a suspensão imediata de captação de água do Rio Una para abastecimento domiciliar. A decisão foi tomada após o órgão ter tomado conhecimento de que sobre o flume recai resíduos hospitalares e industriais, além de fezes humanas o que, na avaliação do MPPE, oferece risco à saúde da população do município.

 A Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) terá até dez dias, a contar do recebimento do ofício, para fazer a coleta e análise da qualidade da água. O laudo técnico comprovará se a água está imprópria ou não para consumo humano. A recomendação, expedida pela promotora de Justiça Manuela de Oliveira Gonçalves, foi publicada, ontem, no Diário Oficial do Estado (DOE). 

No texto publicado, a promotora Manuela afirma que “não há condições de a Estação de Tratamento do município de Água Preta tratar a água do Rio Una, tendo em vista que ela foi criada em 1965, com capacidade de distribuir água para cinco mil habitantes naquele ano, e que não houve nenhum acréscimo de produtos químicos e nenhuma ampliação na estrutura da referida estação de tratamento”. Água Preta é um dos municípios que a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) não opera, sendo a própria prefeitura responsável pelo abastecimento.

Sendo assim, de acordo com a promotora, é de competência do município acompanhar e fiscalizar a pesquisa, o uso e a exploração de recursos hídricos. Hoje, a população estimada para o município é de 33 mil habitantes, de acordo com o censo demográfico do IBGE.
A professora da área de Gestão Ambiental da UFRPE Soraya El-Deir alertou que, em Pernambuco, a média de saneamento ambiental é de apenas 20%, ou seja, nessa conta 80% dos dejetos caem direto no rio sem nenhum tratamento. No caso do Una, Soraya chama a atenção para a criação urgente de políticas de saneamento e mais rigor nas fiscalizações em relação a poluidores fixos, como as indústrias, por exemplo.
“O Una, como um todo, sofre uma carga muito grande de dejetos. A pessoa que consumir diretamente essa água, seja ao beber ou consumir alimentos lavados com ela, pode ter doenças irreparáveis. Desde a mais comum, que é uma diarreia, até um câncer.

 Até porque dejetos industriais, como agrotóxicos, tem potencial cancerígeno. Nisso, sofrem também os animais que vivem no rio”, explicou a pesquisadora. No documento, a Promotoria do município de Água Preta encaminhou recomendação ao prefeito municipal e à presidência do Serviço Autônomo Água e Esgoto (SAAE) de Água Preta.

O laudo técnico da CPRH irá definir, posteriormente, as medidas cabíveis que deverão ser acatadas pelo município. Procurada pela Folha de Pernambuco, a CPRH informou que não havia recebido nenhum ofício até ontem. Já o prefeito de Água Preta, Armando Almeida Souto, e o SAAE foram procurados, mas não atenderam as ligações.

 

Veja também

WhatsApp quer permitir que empresas façam vendas direto no aplicativo
Tecnologia

WhatsApp quer permitir que empresas façam vendas direto no aplicativo

Comitê do Senado aprova nomeação de juíza ultraconservadora para a Suprema Corte dos EUA
Mundo

Comitê do Senado aprova nomeação de juíza ultraconservadora para a Suprema Corte dos EUA