Greve

Rodoviários decidem por greve de ônibus a partir da próxima terça-feira (24)

A categoria pede por aplicação da lei que proíbe a dupla função no Recife, suspensão das demissões na categoria, estabilidade de um ano e negociações para a campanha salarial

Assembleia dos Rodoviários e Rodoviárias do Recife e RMRAssembleia dos Rodoviários e Rodoviárias do Recife e RMR - Foto: Ascom / Sindicato dos Rodoviários do Recife e

Os rodoviários aprovaram greve da categoria para a próxima terça-feira (24). O serviço de transporte por ônibus não deve funcionar a partir da 0h do dia 24/11. A decisão foi tomada em assembleia com os trabalhadores do setor, nesta terça-feira (17). De acordo com o Sindicato dos Rodoviários do Recife, a greve pode ser evitada, caso sejam atendidas as proposições: retorno dos cobradores que foram demitidos, visto que há uma lei que proíbe exercício de dupla função para os motoristas de ônibus no Recife; cancelamento das demissões e estabilidade de um ano para os trabalhadores. 

Também devem ser retomadas as negociações da campanha salarial dos trabalhadores, após serem atendidas as reivindicações iniciais, de acordo com o sindicato. 

"Nós temos como pauta de discussão principal primeiro que retornem todos os cobradores aos seus postos de trabalho, visto que há uma lei que proíbe a dupla função no município de Recife. Queremos que cancelem as demissões, que parem de demitir os trabalhadores. Queremos estabilidade de um ano para esses trabalhadores e queremos voltar a retomar as negociações. Sendo atendida essa pauta esse é o único meio dos trabalhadores rodoviários não fazerem greve no próximo dia 24/11/2020", informou Aldo Lima, presidente do Sindicato dos Rodoviários do Recife e RMR. 

De acordo com o sindicato, cerca de 2 mil trabalhadores rodoviários foram demitidos desde o início da pandemia. Desde lá, diversos motoristas passaram a exercer a função dupla, tanto de motorista quanto de cobrador. Em setembro, uma paralisação fez as mesmas cobranças às empresas de ônibus e ao Grande Recife, mas a situação não foi revertida. No fim de outubro, mais precisamente no dia 30, o prefeito Geraldo Julio sancionou um projeto de lei que proíbe o acúmulo da função de cobrador por motoristas de ônibus. A lei ainda não foi inteiramente aplicada pelas empresas de ônibus. 

A Assembleia dos Rodoviários e Rodoviárias aconteceu na sede do Sindicato dos Rodoviários em dois turnos, para que trabalhadores de horários distintos pudessem votar. "Acabamos de deliberar o indicativo de greve, tanto no primeiro turno quanto no turno da tarde, e, por unanimidade, todos os trabalhadores, nos dois turnos, aprovaram pela greve", informou Aldo Lima.  

Veja também

'É fundamental ter autonomia para sequenciamento genômico de vírus', diz pesquisadora
Entrevista

'É fundamental ter autonomia para sequenciamento genômico de vírus', diz pesquisadora

Saúde autoriza recursos para 3,2 mil leitos de UTI
Coronavírus

Saúde autoriza recursos para 3,2 mil leitos de UTI