Greve

Rodoviários lançam carta à população usuária de ônibus da Região Metropolitana do Recife

Na terça-feira (24), uma greve anunciada pela categoria busca, entre outros tópicos, por aplicação da lei que proíbe a dupla função no Recife

Paralisação dos rodoviáriosParalisação dos rodoviários - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Após anunciarem uma greve, rodoviários e rodoviárias do Recife e Região Metropolitana divulgaram uma carta aos principais atingidos: os usuários. Na publicação, eles afirmam que a tática da greve não é agradável para os grevistas, porém se fez necessária. "Vamos entrar em greve porque esta é a única alternativa que os empresários do transporte e o Governo do Estado, que é o gestor do sistema, nos deixaram", diz o documento. 

Na próxima terça-feira (24), uma greve anunciada pela categoria busca por aplicação da lei que proíbe a dupla função no Recife, suspensão das demissões na categoria, estabilidade de um ano e negociações para a campanha salarial. A movimentação da categoria para a negociação dos pontos pedidos acontece há meses, mas o sindicato afirma que a discussão foi encerrada pelos patrões. 

"Sabemos dos transtornos que o nosso movimento pode causar, mas pedimos a compreensão de todos e todas, pois somos trabalhadores como vocês. Sabemos também que os transtornos não são exclusivos de uma greve, pois nos dias normais os ônibus demoram a passar, circulam lotados, quentes e as viagens são intermináveis com o motorista dirigindo e passando troco. Enquanto os empresários e os gestores do sistema de transporte seguem em seus carros com janelas erguidas e ar-condicionado, somos nós, usuários e rodoviários, quem enfrentamos no dia a dia o caos que é o transporte público em nosso estado", diz a carta. 

Confira o texto completo:

Usuários e usuárias do transporte público do Recife e Região Metropolitana,

Nós, rodoviários e rodoviárias, reconhecemos as dificuldades causadas por uma greve. Nenhum de nós acha a greve uma tática agradável, é uma luta muito árdua também para os grevistas. Vamos entrar em greve por que esta é a única alternativa que os empresários do transporte e o Governo do Estado, que é o gestor do sistema, nos deixaram.

Há meses estamos tentando negociar com os patrões a campanha salarial 2020, mas eles encerraram as negociações e querem de todo jeito empurrar a renovação da antiga convenção de trabalho, que nos faz trabalhar horas e horas de graça e obriga o motorista a cumprir a função do cobrador. Enquanto isso, o Governo do Estado é conivente e deu permissão para que quase todas as linhas da Região Metropolitana circulem sem o cobrador. Apesar da aprovação da Lei 18.761/2020, que proíbe a dupla função no Recife, o Grande Recife Consórcio de Transportes não fez nenhum movimento para a aplicação da lei e as demissões na categoria continuam a todo vapor.

Sabemos dos transtornos que o nosso movimento pode causar, mas pedimos a compreensão de todos e todas, pois somos trabalhadores como vocês. Sabemos também que os transtornos não são exclusivos de uma greve, pois nos dias normais os ônibus demoram a passar, circulam lotados, quentes e as viagens são intermináveis com o motorista dirigindo e passando troco. Enquanto os empresários e os gestores do sistema de transporte seguem em seus carros com janelas erguidas e ar-condicionado, somos nós, usuários e rodoviários, quem enfrentamos no dia a dia o caos que é o transporte público em nosso estado.

Estamos certos de que as suas reivindicações são as mesmas que as nossas. Nós queremos um transporte público de qualidade que respeite os passageiros e os trabalhadores rodoviários. Estamos juntos nessa luta.

Quem transporta vidas merece respeito! Apoie a greve dos rodoviários e rodoviárias!
 

Veja também

Suprema Corte barra restrições contra Covid-19 em eventos religiosos de Nova York
EUA

Suprema Corte barra restrições contra Covid-19 em eventos religiosos de Nova York

Professores da rede estadual paralisam atividades em Pernambuco em protesto por piso salarial
PERNAMBUCO

Professores da rede estadual param atividades, hoje, em protesto por piso salarial