guerra na ucrânia

Rússia celebra "esforços" do Vaticano ao receber um emissário do papa

Matteo Zuppi chegou a Moscou na noite de terça-feira (27) e se reunirá com o conselheiro diplomático do Kremlin

Cardeal italiano Matteo ZuppiCardeal italiano Matteo Zuppi - Foto: Reprodução/Twitter

O Kremlin saudou os "esforços" do Vaticano, nesta quarta-feira (28), para encontrar uma solução para o conflito na Ucrânia, em meio à visita de um emissário do papa Francisco, que se reunirá com um conselheiro do presidente russo, Vladimir Putin.

O cardeal italiano Matteo Zuppi, enviado do papa argentino para a paz na Ucrânia, chegou a Moscou na noite de terça-feira (27) e se reunirá com o conselheiro diplomático do Kremlin, Yuri Ushakov, disse o porta-voz do presidente russo Dmitri Peskov.

"Eles vão discutir o conflito na Ucrânia e as possibilidades de uma solução dolorosa", disse Peskov, acrescentando que o Kremlin "aprecia muito os esforços e iniciativas do Vaticano para encontrar uma solução para a crise ucraniana".

Esta é a primeira visita a Moscou de um alto funcionário do Vaticano desde o início da ofensiva de Moscou contra a Ucrânia em fevereiro de 2022.

De acordo com a Arquidiocese de Moscou, Matteo Zuppi também deveria comparecer a um culto na igreja católica na noite de quinta-feira na capital russa.

Um possível encontro com o chefe da Igreja Ortodoxa Russa, o patriarca Cirilo, foi mencionado por alguns meios de comunicação russos, sem ser confirmado.

Segundo o Vaticano, o principal objetivo desta visita a Moscou é "incentivar gestos de humanidade que possam ajudar a promover uma solução para a trágica situação atual e encontrar os meios para alcançar uma paz justa".

O cardeal Zuppi, membro da comunidade de Sant'Egidio, que desempenha o papel de canal diplomático informal da Santa Sé, já havia visitado Kiev nos dias 5 e 6 de junho.

Veja também

Toxinas fúngicas: riscos das substâncias encontradas na farinha e no arroz
alimentos

Toxinas fúngicas: riscos das substâncias encontradas na farinha e no arroz

Meninas de 8 e 6 anos morrem de Chikungunya e dengue em Pernambuco
ARBOVIROSES

Meninas de 8 e 6 anos morrem de Chikungunya e dengue em Pernambuco

Newsletter