Guerra na Ucrânia

Rússia diz que concentrará ofensiva no leste da Ucrânia e anuncia 1.351 baixas

Segundo autoridades russas, "os principais objetivos da primeira fase da operação foram alcançados"

Casas destruídas por bombardeios em Kharkiv em 25 de março de 2022, durante a invasão militar da Rússia lançada na Ucrânia. Ataques russos contra uma instalação médica em Kharkiv em 25 de março de 2022 mataram pelo menos quatro civis e feriram vários outrCasas destruídas por bombardeios em Kharkiv em 25 de março de 2022, durante a invasão militar da Rússia lançada na Ucrânia. Ataques russos contra uma instalação médica em Kharkiv em 25 de março de 2022 mataram pelo menos quatro civis e feriram vários outr - Foto: Aris Messinis / AFP

A Rússia admitiu nesta sexta-feira (25) que concentrará seus esforços na "libertação" do leste da Ucrânia, além de reconhecer que 1.351 soldados de suas fileiras morreram desde o início da ofensiva. 

"Os principais objetivos da primeira fase da operação foram alcançados. As capacidades de combate das forças ucranianas foram significativamente reduzidas", disse o comandante adjunto do Estado-Maior das Forças Armadas russas, Sergei Rudskoy, em uma entrevista coletiva.

Os militares indicaram que isso permite "concentrar os principais esforços" para alcançar o objetivo principal, que é a libertação de Donbas, uma região no leste da Ucrânia. 

Os principais avanços da Rússia se concentraram no leste e no sul da Ucrânia, sem conquistar nenhuma grande cidade. 

Uma parte da zona ucraniana de Donbas é controlada desde 2014 por separatistas pró-Rússia

Pouco antes de lançar a ofensiva que começou em 24 de fevereiro, a Rússia reconheceu a independência desses grupos e lançou a intervenção militar, argumentando a intenção de protegê-los de um "genocídio" orquestrado pelo governo ucraniano. 

Enquanto isso, nesta sexta-feira, a Rússia reconheceu que 1.351 soldados em suas fileiras morreram desde o início de sua ofensiva militar na Ucrânia há um mês.

"Durante a operação militar especial, 1.351 militares morreram e 3.825 ficaram feridos", declarou Rudskoy.

O último balanço oficial de Moscou, publicado em 2 de março, contabilizava 498 soldados russos mortos na Ucrânia, mas Kiev afirmou que a Rússia sofreu perdas muito maiores.

Rudskoy descreveu como um "grave erro" a entrega de armas à Ucrânia por parte dos países ocidentais.

"Isso prolonga o conflito, aumenta o número de vítimas e não terá nenhuma influência no resultado da operação", afirmou o militar.

Além disso, Rudskoy afirmou que a Rússia "responderá de acordo" se a Otan instaurar uma zona de exclusão aérea na Ucrânia, um pedido reiterado por Kiev há várias semanas.

Enquanto isso, o diretor do Centro Nacional de Gestão de Defesa da Rússia, Mikhail Mizintsev, informou que a Rússia recebeu 419.736 refugiados da Ucrânia desde o início da operação.

Veja também

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle
Família real

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid
Negacionismo

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid