Conflito internacional

Rússia é acusada de 'roubar' centenas de aviões de passageiros

AviãoAvião - Foto: Pixabay

As companhias aéreas russas têm como prazo até segunda-feira (28) para devolver os aviões, em virtude das sanções aeronáuticas aprovadas pela União Europeia depois que as forças russas invadiram a Ucrânia há um mês.

Contudo, segundo uma lei promulgada pelo presidente Vladimir Putin e publicada em 14 de março, as companhias russas têm a possibilidade de registrar na Rússia os aviões que alugam no exterior para que os mesmos possam voar em território russo.

Essa medida permite às empresas seguir utilizando esses dispositivos para voos domésticos, apesar das sanções ocidentais. Se os mesmos voassem para fora da Rússia seriam confiscados.

"A maioria dos aviões que poderiam voar no exterior são aeronaves alugadas, que têm origem europeia ou americana, e que foram roubados de seus legítimos proprietários, os arrendadores", disse o diretor-geral de Transportes da Comissão Europeia, Henrik Hololei.

Ao refazer as matrículas dos aparelhos na Rússia, as autoridades deste país estão "violando gravemente o direito aeronáutico internacional e, também, a lei básica da aviação civil, a convenção de Chicago", advertiu Hololei, durante sua intervenção em uma conferência online da organização europeia de monitoramento do tráfego aéreo, a Eurocontrol.

"São cerca de 10 bilhões [de euros], mais de 500 dispositivos apreendidos pelos russos e registrados por eles", alertou, por sua vez, o diretor-geral da Eurocontrol, Eamonn Brennan. "Isso cria uma situação muito difícil para as empresas de aluguel europeias e para as seguradoras", acrescentou.

Veja também

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle
Família real

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid
Negacionismo

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid