Espionagem

Rússia suspende missão na Otan após acusação de espionagem

Concretamente, a Rússia suspenderá indefinidamente tanto sua missão em Bruxelas quanto a missão da Otan na embaixada da Bélgica em Moscou

O ministro russo de Assuntos Exteriores, Serguei LavrovO ministro russo de Assuntos Exteriores, Serguei Lavrov - Foto: Reprodução/Instagram

A Rússia anunciou nesta segunda-feira (18) a suspensão de sua missão diplomática na Otan, após a aliança militar ter expulsado oito representantes russos, acusados de espionagem.

"A Otan não está interessada em um diálogo equitativo e em um trabalho conjunto", afirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, informando que as medidas entrarão em vigor em 1º de novembro. "Se esse é o caso, então não vemos a necessidade de continuar fingindo que mudanças em um futuro próximo são possíveis."

Concretamente, a Rússia suspenderá indefinidamente tanto sua missão em Bruxelas quanto a missão da Otan na embaixada da Bélgica em Moscou. Segundo Lavrov, se os membros da aliança tiverem que resolver algum assunto urgente, poderão entrar em contato com o embaixador do país na Bélgica.

A Otan afirmou que "soube das declarações do ministro Lavrov pela imprensa". "Não temos nenhuma comunicação oficial sobre o assunto", afirmou uma porta-voz da Aliança, Oana Lungescu.
 


No dia 6 de outubro, a Otan suspendeu o credenciamento de oito membros da missão russa, afirmando que eles eram "agentes de inteligência não declarados". A disputa é o último episódio das já tensas relações entre Moscou e as potências ocidentais. A Rússia acusa a Otan de cobiçar territórios perto de suas fronteiras, como Ucrânia e Geórgia, duas ex-repúblicas soviéticas que Moscou ainda considera parte de sua esfera de influência.

A aliança, por sua vez, diz que está determinada a reforçar a segurança de países membros próximos à Rússia após a anexação da Crimeia por Moscou em 2014. "Atividades maliciosas" No início de outubro, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, acusou Moscou de aumentar suas "atividades maliciosas" na Europa.

A Rússia respondeu dizendo que a aliança político-militar, fundada em 1949 pelos rivais da União Soviética, demonstrou sua rejeição em normalizar as relações com o país. Em março de 2018, a aliança militar já havia decidido retirar as credenciais de sete membros da missão russa e expulsá-los da Bélgica, após o envenenamento de Serguei Skripal, um ex-agente russo, e de sua filha no Reino Unido.

Posteriormente, o número de credenciamentos para a missão russa em Bruxelas foi reduzido de 30 para 20. Em 7 de outubro de 2021, ainda mais, até restarem 10. Apesar das fortes tensões, desde 2014 o alto comando militar russo se reuniu várias vezes em terceiros países com líderes militares da Otan e do Pentágono.

Em fevereiro de 2020, o chefe do Estado Maior russo, Valeri Guerasimov, se encontrou no Azerbaijão com o comandante supremo da Otan para a Europa, o general americano Tod Wolters. Em setembro de 2021, Guerasimov teve um encontro em Helsinki com seu homólogo americano Mark Milley, após uma conversa anterior em dezembro de 2019.

Veja também

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono
Política

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava
Bonobos

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava

Newsletter