Sábado no Poço da Panela é dia de Barba e de 'rebarba'

Uma multidão toma conta do bairro recifense no sábado que antecede o Carnaval; mas nem tudo que se vê é o bloco Os Barba, que acabou virando o nome da festa

Varal de camiseta de Os BarbaVaral de camiseta de Os Barba - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Em 2002, o bloco Boi do Poço saía pelas ruas da Zona Norte do Recife puxado por uma orquestra contratada com recursos próprios. Enquanto ia pelos lados da Praça de Casa Forte, a orquestra contratada pela Prefeitura do Recife para compor a brincadeira procurava pelo Boi nas ruas do Poço da Panela. Sem achar ninguém, parou em frente à Venda do Seu Vital, famosíssima por aquelas bandas, e perguntou a um grupo de amigos onde estava "o bloco". "Ó o bloco aqui!". E se apossando da "orquestra perdida", começou Os Barba que, neste ano, completa 16 carnavais.

Para bancar a estrutura do bloco - toldos, banheiros químicos e uma farta mesa de frutas (que se juntam ao providencial patrocínio da Pitú) - os organizadores promovem varais para venda das camisas. Este ano, a tiragem é de 81 unidades, todas diferentes, pintadas à mão por artistas-amigos: Iramaraí Freitas, Daniel Dobbin, Clarissa Garcia, Severi, entre outros. Este, aliás, assinou a camisa mais cara de todas, arrematada em um leilão por R$ 250. Expostas no varal, cada peça-arte custa R$ 50.

O bloco não sai, "fica" (em frente à Igreja Nossa Senhora da Saúde). Carnaval após Carnaval, mais gente foi chegando e, faz uns cinco anos, a brincadeira tomou grandes proporções. Tão enormes proporções, juntando em torno de 3 mil pessoas, "por baixo", que a organização determinou: Os Barba "fica" das 10h às 16h, o que sobrar depois é "rebarba". Como o último sábado antes do Carnaval oficialmente começar já é um dia mais que propício à festa, o negócio se avolumou, mas a despretensão é a mesma de sempre (com tudo legalizado e organizado junto aos órgãos competentes).

A multidão que preenche as ruas do bairro histórico muitas vezes nem sabe distinguir "barba" de "rebarba". "Já fui dois anos seguidos para 'os Barba', mas não sabia que existia todo um ritual para que o bloco saísse. Para ser sincero, no ano passado e retrasado, que foram os anos que eu participei, eu nem vi rei, rainha nem mesa de frutas porque há muitas pessoas. Geralmente vou com meus amigos e ficamos parados próximo aos carros de som bebendo e dançando", conta o estudante universitário João Araújo.

Para ocupar os espaços para comércio e as vagas de seguranças que trabalham no dia do bloco, a prioridade é para moradores da comunidade. O grupo (formado por membros da Confraria dos Amigos do Poço da Panela) também organiza a versão infantil, Os Barbinha, que junta os meninos deles com os que vêm de outro bloco, o Panelinha de Pressão, pra uma festa só.

Leia também:
Hora de curtir o último fim de semana de prévias carnavalescas; agende-se
Último domingo pré-Carnaval tem Virgens de Bairro Novo e Tá Maluco


Monarquia
Os Barba também têm Rei e Rainha, um novo casal eleito a cada ano, com mandatos cumulativos - agora já são 16 pessoas no "cargo".  A escolha (contrariando a vida real) é feita por votos, como boa monarquia, com direito a coroação. Às 14h, após um cortejo de percurso secreto, ocorre a coroação, na venda de Seu Vital, batizada carinhosamente de palácio - fica defronte à Igreja do Poço. Desta vez, os eleitos foram o funcionário público Geraldo Lima (mais conhecido como Gerrá) e a advogada Alessandra Lisieux. Eles são moradores do bairro desde que casaram, em 2007, e são pais de duas meninas, Mariá, 10 anos, e Sofia, 7. 

Geraldo e Alessandra serão coroados Rei e Rainha dOs Barba

Geraldo e Alessandra serão coroados Rei e Rainha dOs Barba - Foto: Cortesia


"Eu tenho um carinho enorme pelos barba. Sou amigo de todos lá. Vejo os Barba, apesar da dimensão que tomou, como uma grande brincadeira de carnaval. Então, ter sido escolhido pra ser o Rei desse ano, foi uma honra", disse Gerrá ao FolhaPE. "E o melhor é que toda a família está curtindo. Sofia, por exemplo, tem certeza que virou princesa", brinca.

O que Os Barba dizem sobre si próprios é que "não têm diretoria, não têm presidência", mas têm estandarte e têm um hino engraçado, escrito por Lula Terra, que atesta a essência de que não têm a menor pretensão de grandeza:

“Barba já chegou/ Ôôô
Animando o Carnaval
Barbas a todo vapor
Sai da venda do Vital

Tem barbudo inteligente/ Ôôô
Jornalista e operário/ Ôôô
Tem o barba boa gente
Mas tem barba que é otário"

 

Veja também

Tratamento dentário em crianças diminui até 89% na pandemia
Saúde

Tratamento dentário em crianças diminui até 89% na pandemia

PM prende dupla de assaltantes e recupera moto roubada em Toritama, no Agreste
Polícia

PM prende dupla de assaltantes e recupera moto roubada em Toritama, no Agreste