Sarah Maldoror, pioneira do cinema negro, morre aos 91 anos

No total, ela foi autora de mais de 40 filmes, entre curtas e longas

Sarah tinha problemas cardíacos e estava internada desde 29 de março em ParisSarah tinha problemas cardíacos e estava internada desde 29 de março em Paris - Foto: Reprodução/Divulgação

A cineasta francesa Sarah Maldoror, um dos principais nomes do cinema negro pós-colonial, morreu nesta segunda-feira (13), aos 91 anos, em decorrência de Covid-19.
Segundo informações do jornal português Público, ela tinha problemas cardíacos e estava internada desde 29 de março em Paris.

Seus filmes "Monangambé" (1968) e "Sambizanga" (1972), baseados em obras do escritor e ativista José Luandino Vieira, tornaram-se importantes registros da luta independentista de Angola contra a metrópole portuguesa. No total, ela foi autora de mais de 40 filmes, entre curtas e longas.

Leia também:
Morre, no Rio, o cantor e compositor Moraes Moreira
Preta Gil diz que está curada do coronavírus pela sua fé e pede menos egoísmo


"Depois da luta anticolonial, filmar uma senzala não é mais filmar a senzala em si, mas captar a música das cadeias, criar uma sinfonia de correntes para representar a dor. É algo mais sublime e poético", disse em entrevista de 2015.

Ficou conhecida como figura de proa do cinema africano, de onde era sua ascendência, tendo se filiado a importantes artistas do continente como o diretor senegalês Sembène Ousmane e do poeta e político angolano Mário Pinto de Andrade, com quem foi casada.
Também atuou como assistente de direção em "A Batalha de Argel" (1966), do italiano Gillo Pontecorvo. Em 2012, recebeu a Ordem Nacional do Mérito francesa por seu trabalho.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Saiba como é o programa de vacinação em países europeus
Vacina

Saiba como é o programa de vacinação em países europeus

Nos últimos dois meses, Pernambuco perdeu mais de 100 pessoas por semana para a Covid-19
Pandemia

Nos últimos dois meses, Pernambuco perdeu mais de 100 pessoas por semana para a Covid-19