PERNAMBUCO

Sargento que trabalhou como motorista de aplicativo durante licença médica é expulso da PM

O conselho de disciplina que foi instaurado apurou que as denúncias feitam eram verdadeiras

Secretaria de Defesa SocialSecretaria de Defesa Social - Foto: StreetView/Google

Um sargento da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) foi expulso da corporação por ter trabalhado durante seis anos, estando boa parte desse período em licença médica para tratamento de saúde, como motorista de transporte por aplicativo

A portaria, assinada pela secretária de Defesa Social, Carla Patrícia Cunha, foi publicada na edição desta quinta-feira (15) do Diário Oficial do Estado

No documento, o Estado afirma que o sargento, identificado como Cleyton Edson Monteiro dos Santos, atuou entre 2 de junho de 2016 e 17 de setembro de 2022 como motorista de aplicativo - apesar da licença médica.

O conselho de disciplina que foi instaurado apurou que as denúncias feitam eram verdadeiras, o que culminou na "expulsão a bem da disciplina" do sargento.

"O corregedor auxiliar militar atestou [...] que a conduta do increpado revela-se carregada de elevado grau de reprovação, malferindo gravemente preceitos éticos inerentes aos militares estaduais", diz trecho da portaria.

As normas da PMPE vedam esse tipo de conduta por parte de seu quadro, como está expresso no art. 7º do Decreto nº 22.114/2000:

Ao militar estadual da ativa é vedado exercer atividade de segurança privada, fazer parte de firmas comerciais, de empresas industriais e serviços de qualquer natureza, ou nela exercer função ou emprego remunerado, exceto como acionista, quotista em sociedade anônima ou por quotas de responsabilidade limitada.

Parecer técnico emitido pelo conselho de disciplina indicou que "essa conduta mostra-se incompatível com a própria finalidade desse afastamento [por licença médica]". 

"A conduta do imputado guarda, realmente, uma elevada carga de reprovabilidade, porque não se restringe a uma mera infração ao seu dever de dedicação integral e exclusiva à atividade policial militar, mas sim, consiste numa situação que é substancialmente agravada pelo fato dele praticar essa ação durante um longo lapso temporal, em que estava afastado do serviço da corporação, em decorrência licença médica para tratamento de saúde, com isso, claramente, colocando os seus interesses privados acima do seu compromisso para com os valores e os preceitos castrenses"

A reportagem tenta localizar a defesa de Cleyton Edson Monteiro dos Santos e aguarda retornos da Polícia Militar de Pernambuco e da Secretaria de Defesa Social. 

Veja também

Mercado Público de Porto Alegre reabre com 53 lojas
rio grande do sul

Mercado Público de Porto Alegre reabre com 53 lojas

Com duas vaginas e sem ânus, mulher vive com condição genética ultrarrara

Com duas vaginas e sem ânus, mulher vive com condição genética ultrarrara

Newsletter