SUS

Saúde avalia inclusão de remédios para tratamento da Hemofilia A

Ministério analisa incluir medicamentos no SUS

A liberação de remédios varia de país para paísA liberação de remédios varia de país para país - Foto: ANS/Divulgação

O Ministério da Saúde avalia a inclusão de dois medicamentos para tratamento de pacientes com hemofilia A no Sistema Único de Saúde (SUS). A doença é mais comum em homens, é hereditária e se caracteriza pela deficiência na coagulação do sangue, fazendo com que o paciente tenha dificuldade para estancar sangramentos.

A inclusão dos medicamentos Alfadamoctocogue Pegol e Alfarurioctocogue Pegol no tratamento de pacientes da rede pública teve recomendação favorável pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), órgão que avalia a incorporação de novos remédios. A decisão final será do ministério.

Uma audiência pública promovida pela Conitec foi realizada nesta sexta-feira (26) para ouvir especialistas sobre a inclusão dos medicamentos.

Na avaliação de Mariana Freire, fundadora da Associação Brasileira de Pessoas com Hemofilia (Abraphem), a incorporação dos medicamentos poderá diminuir a quantidade de infusões durante o tratamento.

Segundo Mariana, a infusão endovenosa é uma barreira ao tratamento, que é feito a partir da aplicação do fator de coagulação na veia do paciente para prevenir as hemorragias.

“Ambos [medicamentos] representam um impacto bastante positivo na rotina do tratamento das pessoas com hemofilia. A diminuição da frequência de infusões endovenosas de três para duas vezes por semana, ou de três vezes por semana para uma vez a cada cinco dias, representa muito mais do que 30% ou 50% menos infusões, representa um fardo menor no tratamento desses pacientes, uma carga emocional a menos para eles e suas famílias”, afirmou.

Na avaliação do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti Neto, o objeto da inclusão dos remédios no tratamento oferecido no SUS é o bem do paciente, levando em conta considerações bioéticas.

“O SUS tem a missão de integralidade e universalidade para garantir a proteção da vida e a qualidade de vida a todos brasileiros”, comentou.

Os medicamentos são produzidos pelos laboratórios Bayer e Takeda Brasil.

Veja também

Após pressão de usuários, Twitter anuncia novo recurso para combater fake news no Brasil
FAKE NEWS

Após pressão de usuários, Twitter anuncia novo recurso para combater fake news no Brasil

Chile anuncia mudanças no isolamento e gestão da pandemia por variante ômicronVariante ômicron

Chile anuncia mudanças no isolamento e gestão da pandemia por variante ômicron