ALIMENTAÇÃO

Saúde lança guia alimentar de bolso para menores de 2 anos

O guia de bolso orienta famílias, responsáveis e profissionais de diversas áreas

Foto ilustrativaFoto ilustrativa - Foto: Pixabay

O Ministério da Saúde lançou esta semana a versão de bolso do Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 anos. A publicação reúne as principais recomendações sobre aleitamento, introdução à alimentação complementar e escolha de alimentos saudáveis. A versão completa foi lançada em 2019, mas a versão de bolso, segundo a pasta, facilita o cuidado com crianças.

O guia de bolso orienta famílias, responsáveis e profissionais de diversas áreas. Também é possível conhecer mais sobre direitos relacionados à alimentação infantil, além de recomendações sobre habilidades culinárias. A publicação pode ser obtida neste link.

“O guia é um documento importante porque, no Brasil, a alimentação, assim como a saúde, é um direito. O guia alimentar tem como diretriz orientar sobre uma alimentação saudável e, a partir dela, espera tornar a fase da introdução da alimentação complementar, a partir dos 6 meses de vida, mais tranquila para pais, famílias, cuidadores e profissionais da área”, explicou a coordenadora de Alimentação e Nutrição da Secretaria de Atenção Primária da pasta, Gisele Bortolini.

A má alimentação está no topo do ranking de fatores de risco relacionados à carga global de doenças que mais contribuem para a mortalidade, ocupando a segunda posição. No Brasil, os alimentos ultra processados representam cerca de 15% das calorias consumidas, com destaque para industrializados, seguidos de doces.

O ministério lista 12 passos para a alimentação saudável de crianças menores de 2 anos. São eles:

1. Amamentar até 2 anos ou mais, oferecendo somente o leite materno até os 6 meses.

2. Oferecer alimentos in natura ou minimamente processados, além do leite materno, a partir dos 6 meses.

3. Oferecer à criança água própria para o consumo em vez de sucos, refrigerantes e outras bebidas açucaradas.

4. Oferecer a comida amassada quando a criança começar a comer outros alimentos além do leite materno.

5. Não oferecer a crianças de até 2 anos açúcar ou preparações e produtos que contenham açúcar.

6. Não oferecer à criança alimentos ultra processados.

7. Cozinhar a mesma comida para a criança e para a família.

8. Zelar para que a hora da alimentação da criança seja um momento de experiências positivas, aprendizado e afeto junto à família.

9. Prestar atenção aos sinais de fome e saciedade da criança e conversar com ela durante a refeição.

10. Cuidar da higiene em todas as etapas da alimentação da criança e da família.

11. Oferecer à criança alimentação adequada e saudável também fora de casa.

12. Proteger a criança da publicidade de alimentos.

Veja também

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma
Graduação

UFPE publica edital de matrícula relativo ao SISU 2021 com novo cronograma

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença
Pandemia

Estudos afirmam que variante britânica do coronavírus não aumenta a gravidade da doença