Monitor de secas

Seca avança em Pernambuco e atinge mais de dois terços do território

Dados do Monitor das Secas mostram que, em setembro, Estado teve maior índice de estiagem desde abril

Seca no NordesteSeca no Nordeste - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Em setembro, Pernambuco registrou 70,27% de seu território, equivalente a mais de dois terços, em situação de seca. O índice, divulgado pela última atualização do Monitor de Secas da Agência Nacional de Águas (ANA), nessa quarta-feira (21). Em agosto, o total era de 54,29% do Estado.

De acordo com o monitor, o percentual de setembro é o maior desde abril de 2020, quando o Estado tinha 78,58% do território em estiagem. A expansão da seca no mês passado ocrreu principalmente no Litoral Sul e no Sertão, de forma mais moderada, e intensificação em parte do Agreste, principalmente na divisa com a Paraíba, agora classificada como seca moderada. 

O Governo do Estado decretou situação de emergência por estiagem em 55 municípios do Sertão, em 11 de setembro, e em 19 de setembro em mais 59 cidades do Agreste. Ou seja, atualmente há 114 dos 184 municípios pernambucanos em emergência por causa da seca.

"Os impactos do fenômeno são de curto e longo prazo no Sertão do São Francisco e nordeste pernambucano e apenas de curto prazo nas demais' áreas", diz a ANA. A severidade do fenômeno ainda aumentou levemente com o retorno da categoria de seca moderada em 2,27% do Estado.

Pernambuco foi um dos 11 estados, além do Distrito Federal, que apresentou aumento na severidade daAlagoas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Piauí, Sergipe e Tocantins seca em setembro são as demais unidades da federação atingidas. 

Dados do Monitor de Secas mostram o avanço da estiagem no PaísDados do Monitor de Secas mostram o avanço da estiagem no País (Foto: Divulgação/ANA)

Monitor de Secas
O Monitor de Secas é coordenado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), com o apoio da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), e desenvolvido conjuntamente com diversas instituições estaduais e federais ligadas às áreas de clima e recursos hídricos, que atuam na autoria e validação dos mapas. Em Pernambuco, a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) é o órgão que atua no Monitor de Secas. Por meio da ferramenta é possível comparar a evolução das secas nos 18 estados e no Distrito Federal a cada mês vencido.

Em operação desde 2014, o Monitor de Secas iniciou suas atividades pelo Nordeste, historicamente a região mais afetada por esse tipo de fenômeno climático. No fim de 2018, com a metodologia já consolidada e entendendo que todas as regiões do País são afetadas em maior ou menor grau por secas, foi iniciada a expansão da ferramenta para incluir outras regiões.
 
O Monitor de Secas foi concebido com base o no modelo de acompanhamento de secas dos Estados Unidos e do México. O cronograma de atividades inclui as fases de coleta de dados, cálculo dos indicadores de seca, traçado dos rascunhos do Mapa pela equipe de autoria, validação dos estados envolvidos e divulgação da versão final do Mapa do Monitor, que indica uma seca relativa – as categorias de seca em uma determinada área são estabelecidas em relação ao próprio histórico da região – ou a ausência do fenômeno.

Veja também

Rússia afirma que vacina Sputnik V contra Covid-19 tem eficácia de 95%
Coronavírus

Rússia afirma que vacina Sputnik V contra Covid-19 tem eficácia de 95%

Manifestação pela morte de homem negro em Porto Alegre termina em confronto com policiais
Rio Grande do Sul

Manifestação pela morte de homem negro em Porto Alegre termina em confronto com policiais