Covid-19

Secretaria de Saúde de Campos afasta enfermeira que deu injeção sem vacina a criança

Polícia Civil abrirá inquérito sobre o caso por possível crime de infração sanitária

Profissional aplicou injeção, mas não empurrou o êmbolo até o final Profissional aplicou injeção, mas não empurrou o êmbolo até o final  - Foto: Arquivo pessoal/Reprodução O Globo

A Secretaria municipal de Saúde de Campos dos Goytacazes, no Norte do Rio de Janeiro, informou nesta sexta-feira que afastou a enfermeira que deu injeção sem vacina a uma criança.

O caso aconteceu na manhã dessa quinta-feira, no posto da Cidade da Criança Zilda Arns, no bairro Parque Alzira Vargas. Ao injetar a seringa num menino de 8 anos, a profissional de saúde não empurrou o êmbolo até o fim, como mostrou uma gravação feita pela mãe da criança. A prefeitura informou ainda que abriu sindicância contra a enfermeira e já a ouviu, embora não tenha informado quais foram as alegações da profissional para não aplicar a vacina corretamente.

Nesta sexta-feira, a Polícia Civil disse que abrirá inquérito para apurar possível crime de infração sanitária, a exemplo de outros casos de não aplicação da vacina já noticiados ao longo da pandemia, como a prática conhecida como "vacina de vento". O caso veio à tona depois que a dona de casa Cristiane Lopes, de 29 anos, ao ver o vídeo que gravara do momento da vacinação de seu filho Nycollas, de 8, desconfiou de que o imunizante não tinha sido realmente aplicado.
 

A Subsecretaria de Comunicação Social da prefeitura de Campos disse, por nota, que, após a análise das imagens, foi constatado que "de fato há a hipótese de não vacinação". Segundo a pasta, a Subsecretaria de Atenção Básica, Vigilância e Promoção da Saúde (Subpav) fez contato com a família e, "seguindo recomendações da Nota Técnica do Ministério da Saúde, a criança passará por consulta médica na próxima terça-feira (8), no Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), na sede da Secretaria de Saúde, para conclusão do caso e decisão sobre o intervalo a ser respeitado para a revacinação".

A prefeitura acrescenta que instalou um procedimento de sindicância para apurar o caso, e que a enfermeira já foi ouvida. "A profissional foi afastada e está sendo acompanhada pelo Departamento de Enfermagem (DENF) da Secretaria Municipal de Saúde. A técnica é uma profissional experiente, com mais de 10 anos de serviço na área, não havendo nenhum registro que desabone a conduta da profissional junto ao DENF", disse a administração municipal. A reportagem perguntou à pasta quais foram as alegações da enfermeira para a não aplicação correta da vacina, mas não obteve resposta.

A nota diz ainda que o caso foi um fato isolado, e que "todas as medidas cabíveis estão sendo adotadas para que não volte a acontecer a suspeita". Além disso, a campanha de vacinação no município transcorreu até agora sem que nenhum erro de imunização ou evento adverso decorrente das vacinas fossem registrados, pontua o comunicado.

"Uma conduta praticada em todos os postos de vacinação no município é o vacinador mostrar a seringa antes e depois da aplicação para a pessoa imunizada e, no caso das crianças, para os pais ou responsáveis legais. Isso afasta qualquer dúvida quanto à correta imunização", finaliza a prefeitura. A imagem gravada por Cristiane mostra, contudo, que tal procedimento não foi realizado no caso de Nycollas.

Veja também

Putin alerta países ocidentais sobre risco real de guerra nuclear
guerra na ucrânia

Putin alerta países ocidentais sobre risco real de guerra nuclear

Ofensiva israelense em Rafah violaria decisão da CIJ, alerta ONU
guerra no oriente médio

Ofensiva israelense em Rafah violaria decisão da CIJ, alerta ONU