Seis pontos de encosta no Recife vão ganhar contenção definitiva

O pacote de obras segue a orientação da Defesa Civil do Recife (Sedec), priorizando os pontos mais críticos apontados pelo órgão

No Alto Caeté, em Nova Descoberta, barreiras desprotegidas tiram o sono de moradoresNo Alto Caeté, em Nova Descoberta, barreiras desprotegidas tiram o sono de moradores - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Seis pontos de encostas no Recife vão ganhar contenção definitiva contra deslizamento segundo a Prefeitura do Recife dentro da Operação Inverno 2019. Os trabalhos começaram nas ruas José Amaral (Córrego do Deodato), Diadema (Alto do Eucalipto), Córrego São Domingos Sávio (Alto José Bonifácio), Nicolino Miranda (Córrego do Caroá) e a segunda etapa da Rua Bela Vista (Dois Unidos), além da Subida Alto do Capitão (Alto Capitão). 

O serviço inclui drenagem, instalação de tela argamassada e construção de muro de arrimo, totalizando um investimento de R$ 5 milhões. Esse trabalho também está sendo executado na primeira etapa da Rua Bela Vista (Córrego do Morcego), que deve ser concluído ainda neste mês de maio, e na 1ª Subida da Brasileira (Alto da Brasileira), com finalização prevista para junho. Já a Rua Santa Joana (Lagoa Encantada) ganhará uma escadaria até o final de junho. O investimento nas três obras é da ordem R$ 3 milhões.

Leia também:
Situação de encosta em Nova Descoberta assusta moradores
Deslizamento de terra atinge casa e interdita avenida no Rio
Deslizamento de barreira deixa parte da BR-232 interditada na Serra das Russas


O pacote de obras de contenção definitiva de encostas está sendo realizado com verba do Governo Federal, por meio do Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa) e deve ser concluído em sua totalidade até o final de junho. 

Veja também

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia
Coronavírus

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio
Coronavírus

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio