Notícias

Seleção movimenta mercado e mantém livre acesso a empresários

A flexibilidade atual permite que atletas consigam pensar no seu futuro enquanto não tem atividade com a Seleção

Técnico Tite, da Seleção BrasileiraTécnico Tite, da Seleção Brasileira - Foto: Juan Mabromata/AFP

Com os principais jogadores de diversos times pelo mundo, a Seleção Brasileira vive no centro do mercado da bola. Embora o discurso dos jogadores seja sempre o de "foco total na Copa América", os atletas são constantemente avisados de propostas que já estão nas mãos dos respectivos empresários. A política da atual comissão técnica repete o que foi feito na Copa do Mundo. Os atletas podem receber a visita de seus agentes, amigos e familiares em quase todos os dias, mas sempre com horários estabelecidos. Em cada hotel em que o Brasil se concentra, há uma sala reservada para os encontros. Idealmente, o técnico gostaria que os atletas entrassem nas competições com o futuro já resolvido, mas ele sabe que isso não é possível.

Vale lembrar que antes da entrada de Tite, a Seleção se fechava completamente para a entrada de empresários na concentração. Em certos momentos, inclusive, Dunga e companhia fecharam totalmente o cerco para evitar a presença de agentes do mercado. O treinador foi a público para afirmar que não gostaria de ver "um balcão de negócios".

A flexibilidade atual permite que atletas consigam pensar no seu futuro enquanto não tem atividade com a Seleção. Daniel Alves, por exemplo, anunciou que não continuará no PSG, confirmando a tendência revelada pela reportagem. Ele tem propostas de outras equipes europeias e mexe com o imaginário dos times brasileiros. É muito provável, no entanto, que ele continue no Velho Continente. Outro atleta do PSG que começa a discutir a sua situação é Thiago Silva. Ele só tem contrato até junho de 2020 e quer pelo menos mais duas temporadas para continuar na França. Neymar é mais um que engordaria a lista, mas a lesão no tornozelo o tirou da Seleção.

Willian também recebe sondagens a todo instante. O atleta do Chelsea só tem contrato até o meio do ano que vem e já recusou diversas propostas, como a do Shanghai, da China. Sua intenção é se manter na Europa. Atlético de Madri e Barcelona já foram especulados pela imprensa europeia como possíveis destinos. Por falar em Espanha, lá estão Philippe Coutinho e Filipe Luís. O primeiro ainda tem contrato com o Barcelona, mas sua última temporada fez a equipe catalã repensar seu posicionamento. Jornais espanhóis afirmaram que ele estava à venda.

Já o lateral esquerdo é desejo do Lyon, da França. Sylvinho, agora técnico da equipe francesa, quer usar o seu bom relacionamento para reforçar a sua equipe. A equipe do Flamengo está entre os brasileiros que já manifestaram interesse em repatriá-lo.

Miranda tem contrato na Inter de Milão só até o meio do ano que vem e já começou a perder espaço entre os titulares. O zagueiro é outro que desperta o interesse de times brasileiros que pensam em se reforçar. A Seleção ainda tem Allan na mira de equipes como o PSG, mas o Napoli faz jogo duro e pede mais de R$ 300 milhões por um negócio. David Neres, do Ajax, também é sondado após a boa temporada, mas os holandeses pensam em renovação.

Por fim, Éverton, do Grêmio, fica cada vez mais longe de continuar no Brasil. Com a ótima atuação na Seleção e a conquista da titularidade durante a Copa América, os empresários de Cebolinha relatam que o telefone - que já tocava antes - não para de tocar.

Leia também:
Eventual volta de Daniel Alves pode gerar mudanças no Barcelona
Tática da nova defesa de Najila é tentar colocar Neymar como "vidraça"

Veja também

Pesquisa aponta amplo favoritismo de Liz Truss para suceder Boris Johnson em Downing Street
reino unido

Pesquisa aponta amplo favoritismo de Liz Truss para suceder Boris Johnson em Downing Street

Mudança climática afeta zangões, de acordo com estudo britânico
meio ambiente

Mudança climática afeta zangões, de acordo com estudo britânico