Sem remédios, doentes se viram para sobreviver

Falta de medicamentos na Farmácia do Estado aumenta o drama de pessoas com doenças crônicas

O prazo de 20 dias que o MPPE deu à SES para regularizar o estoque está acabandoO prazo de 20 dias que o MPPE deu à SES para regularizar o estoque está acabando - Foto: Arthur Mota

 

Desde que adquiriu a doença renal crônica (DRC), há quatro anos, o paciente Mário Januário, 37 anos, vive o drama da incerteza para adquirir os remédios pela Farmácia do Estado e conseguir dar continuidade à sua diálise. Porém, por seis meses ininterruptos, ele vem tirando do próprio bolso o recurso para custear os medicamentos em farmácias de manipulação. Ou é assim ou Mário Januário não segue com seu tratamento numa clínica no Cabo de Santo Agostinho, Grande Recife, a 25 quilômetros de onde mora, no município de Escada, Zona da Mata Sul.

Assim como ele, outros pacientes que precisam fazer diálise denunciaram à Folha de Pernambuco a falta de duas drogas nos estoques do Estado: as Sevelamer e Hemax. “Não tenho condições financeiras para ficar mantendo o tratamento. Mas, também sinto pânico só em pensar que meus rins podem parar de funcionar”, desabafa Januário.

Por R$ 70, ele compra 260 cápsulas do Sevelamer combinado com carbonato de cálcio, o que só dá para mantê-lo por um mês. O problema também se reflete nos pacientes soropositivos, que têm se queixado da ausência de antirretrovirais nas prateleiras da Farmácia do Estado.

Nessas pessoas, a situação se torna ainda pior, visto que o vírus do HIV fica ainda mais resistente e tende a se multiplicar sem o devido controle. Na lista de antirretroviraris, estão em falta o Raltegravir, Lamivudina e Efavirenz.

"Todo mês é isso. Quem é soropositivo precisa ter segurança médica, pois se a imunidade baixa, a gente fica doente. Uma gripe para a gente é fatal. Eu uso o (coquetel) AZT e o Lamivudina, mas esses já estão entrando na lista vermelha", preocupa-se o paciente José Cândido da Silva, representante da Rede Nacional das Pessoas com Aids.

O prazo acordado entre o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e a Secretaria de Saúde para regularizar o estoque da Farmácia do Estado termina em 20 dias. “A gestão estadual ainda está dentro do prazo do cronograma apresentado por ela à promotoria. A partir de 1º de março, esse cronograma já perde a validade”, salienta a promotora de Justiça Ivana Botelho.

Caso a SES não cumpra com o acordo, o MPPE entrará com ação pedindo o bloqueio de verbas para comprar os medicamentos. Em novembro foi registrado pelo Ministério Público um déficit de 46% do estoque da farmácia.

Em nota, a SES esclarece que “os medicamentos Sevelamer e Hemax são fornecidos pelo Ministério da Saúde. No caso do primeiro, a Farmácia encontra-se com o estoque do medicamento normalizado. Já em relação ao Hemax, o Ministério informou que está finalizando a aquisição do produto par a enviar o insumo aos estados”.

Já em relação aos antirretovirais, o órgão estadual afirma que “nos últimos meses, o Ministério da Saúde tem feito a entrega de forma irregular” e acrescenta que “a Farmácia vem dialogando com o órgão para regularizar a situação”.

Em relação aos medicamentos citados (Raltegravir, Lamivudina e Efavirenz), já foi solicitada a reposição pelo Ministério da Saúde. Sobre o Tenofovi, a SES assegura que não há medicamentos vencidos. “Alguns lotes distribuídos em janeiro e fevereiro venciam no fim dos respectivos meses, podendo ser consumidos normalmente pelo paciente dentro do período da validade. Uma nova remessa deve chegar ao Estado nos próximos dias”, conclui. A reportagem entrou em contato com o MS, mas não obteve retorno.

 

Veja também

Estudo da UnB investiga cepas do coronavírus Sars-CoV-2 encontradas no DF
Coronavírus

Estudo da UnB investiga cepas do coronavírus Sars-CoV-2 encontradas no DF

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia
Meio Ambiente

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia