Coronavírus

Senado avaliará suspensão de metas de prestadores do SUS na pandemia

Hospitais e instituições filantrópicas que atendem pelo SUS devem ficar livres de cumprir metas de atendimento

SUSSUS - Foto: Arquivo/Agência Brasil

Prestadores de serviços de saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) poderão ter o prazo para cumprimento de metas prorrogado até 30 de setembro de 2020, em virtude da pandemia de coronavírus. Projeto de lei com esse objetivo foi aprovado pelos deputados nesta terça-feira (14) e seguirá para análise do Senado.

O texto aprovado foi um substitutivo do deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG) ao Projeto de Lei 3.058/2020, do deputado Pedro Westphalen (PP-RS), que inicialmente previa essa prorrogação até 31 de dezembro. Barbosa explicou, no parecer, que manteve a prorrogação até 30 de setembro para garantir a celeridade da tramitação da matéria, em função de acordo firmado entre o governo e os estabelecimentos de saúde.

Pelo substitutivo, a medida alcança tanto pessoas jurídicas de direito público quanto aquelas de direito privado, com ou sem fins lucrativos.

A legislação prevê que, para receberem pagamento pelo atendimento prestado no âmbito do SUS, as entidades conveniadas devem cumprir metas qualitativas e quantitativas. Hospitais filantrópicos, por exemplo, dependem disso para continuarem com isenção de tributos.

Repasses
Esse tipo de suspensão já tinha sido aprovado pelo Congresso Nacional, por meio da Lei 13.992/2020, por 120 dias a partir de 1º de março. O prazo acabou no dia 28 de junho. A lei também garantiu o repasse integral dos recursos previstos no contrato, feitos por meio do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (Faec), com base na média dos últimos 12 meses.

Como a lei determinou o pagamento segundo a média dos últimos 12 meses, alguns prestadores de serviços tiveram redução dos valores repassados, embora tenham aumentado sua produção. O relator do PL 3.058/2020, então, restabeleceu o mecanismo de repasse anterior à Lei 13.992, atribuindo aos gestores estaduais, distrital e municipais de saúde a aprovação da produção para o pagamento pelo Faec.

Já os recursos represados do fundo referentes aos meses de março, abril, maio e junho deste ano deverão ser pagos em parcela única pelo Ministério da Saúde, também depois da aprovação desses gestores.

Se os senadores aprovarem o projeto sem mudanças, ele seguirá diretamente para sanção presidencial. Caso o Senado modifique algum dispositivo, a matéria terá que retornar para avaliação dos deputados.

*Com informações da Agência Câmara

Veja também

'Força, meu Líbano', diz Temer após explosão atingir Beirute
Explosão

'Força, meu Líbano', diz Temer após explosão atingir Beirute

Pantanal tem julho com maior número de queimadas já registrado
meio ambiente

Pantanal tem julho com maior número de queimadas já registrado