São Paulo

Servidor público toma vacinas de fabricantes diferentes na Grande SP

Agora, ele receberá uma terceira dose, correspondente ao primeiro imunizante

Vacina de Oxford/AstrazenecaVacina de Oxford/Astrazeneca - Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Um servidor da Prefeitura de Mauá (Grande SP), gestão Marcelo Oliveira (PT), recebeu a segunda dose da vacina contra a Covid-19 de um fabricante diferente da primeira. Agora, ele receberá uma terceira dose, correspondente ao primeiro imunizante.

O funcionário público tomou uma dose da Oxford/Astrazeneca no dia 27 de janeiro e, quando voltou para a segunda dose, em 19 de abril, recebeu o imunizante da Coronavac, do Instituto Butantan.

O servidor trabalha na área da saúde municipal e está sendo acompanhado após a falha, segundo a prefeitura. Em nota, a gestão municipal disse que o funcionário público foi orientado a concluir o esquema vacinal com o mesmo imunizante da primeira dose em 14 dias.
 



De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, o erro foi identificado imediatamente após a aplicação da dose. "A auxiliar de enfermagem responsável pelo atendimento explicou ao funcionário da saúde os procedimentos que deveriam ser adotados. Ele entendeu que não teria complicações clínicas e não esboçou críticas ao ocorrido", disse a pasta em nota.

Não é a primeira vez que uma pessoa recebe o imunizante errado na hora de tomar a segunda dose. Em São José dos Campos (97 km de SP), por exemplo, uma idosa de 81 anos recebeu a primeira dose da Astrazeneca e a segunda, da Coronavac.

O Instituto Butantan, fabricante da Coronavac, afirmoou que não há comprovação científica sobre combinação de doses de fabricantes diferentes da vacina contra o coronavírus. "Os esquemas vacinais são de responsabilidade dos gestores", disse, em nota.

Veja também

Covid-19: Brasil registra pouco mais de 67 mil casos e 2.087 óbitos neste sábado (15)
Pandemia

Covid-19: Brasil registra pouco mais de 67 mil casos e 2.087 óbitos neste sábado (15)

Estudo diz que vacinação reduz em 95% mortes por Covid-19 na Itália
Pandemia

Estudo diz que vacinação reduz em 95% mortes por Covid-19 na Itália