MEIO AMBIENTE

Silêncio rompido! Biólogos equatorianos captam sons de sapo considerado mudo

A espécie vive nas serras amazônicas de Cutucú e Cóndor

Foto: Rodrigo BUENDIA / AFP

Um som muito agudo na floresta chamou a atenção do biólogo equatoriano Jorge Brito, do Instituto Nacional de Biodiversidade (Inabio). Era o coaxar de uma espécie de sapo que, desde sua descoberta há um século, a ciência acreditava ser mudo. 

"A princípio pensei que fosse algum grilo que estava por aí vocalizando, mas percebi e fiquei atento", lembra Brito. 

Em fevereiro, a revista Neotropical Biodiversity relatou a descoberta. Em seu artigo, Brito e o biólogo equatoriano Diego Batallas descreveram o som dessa espécie que vive nas serras amazônicas de Cutucú e Cóndor

"O som é muito sutil e muito difícil de ouvir em campo", diz Batallas.

Os sapos Rhinella festae não possuem cordas vocais. Esta variedade é conhecida como o sapo do Vale de Santiago. 

De pele morena e áspera, pode medir entre 45 e 68 milímetros e caracteriza-se por sua cabeça terminar em uma proeminência nasal. 

“É muito provável que existam espécies que passaram despercebidas e que devido a processos evolutivos que não conhecemos – que podem ser antipredatórios ou efeitos do meio ambiente – não precisam que seus sons sejam ouvidos muito longe”, disse Batallas. 

No caso do Rhinella festae, seu coaxar é um anúncio de sua chegada. Em outras espécies, está associado ao namoro e à defesa do território. 

O Equador, um país pequeno, mas diverso, tem 658 espécies de anfíbios registradas. Destas, 623 correspondem a sapos e rãs e quase 60% estão em risco ou em perigo crítico de desaparecer.

Veja também

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação
Télam

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação

Moda da Hermès desafía todos os elementos
Moda

Moda da Hermès desafía todos os elementos